• Alexandra Gomes

A Infância e a Neuroplasticidade no seu melhor

É nos primeiros anos de vida da criança, que os adultos, entusiasticamente, percecionam a sua velocidade de aprendizagem.

Trata-se de Neuroplasticidade!


Nos primeiros anos de vida da criança, o seu cérebro é mais moldável e ajustável física e funcionalmente. É como se de um “cérebro plástico” de tratasse.


De facto, nestes primeiros tempos de vida, o cérebro é como uma esponja que facilmente absorve a informação e rapidamente cria ligações entre as células, traduzindo-se, mais facilmente numa aprendizagem de sucesso, através da aquisição de competências como a linguagem, a atenção, a memória, a tomada de decisão e, emocionalmente, na espontaneidade como interage com as outras crianças.


Conscientes desta facilidade, segundo a psicomotrista Beatriz Pereira, os adultos devem estimular as crianças no estabelecimento de interações positivas com o outro, na aquisição de novas experiências e na obtenção de novos conceitos. No entanto, há que ter realçar que estas experiências devem ser ricas, na qualidade vivenciada e não na quantidade! A super estimulação apresenta o risco de diminuir o foco da criança, a sua tolerância à frustração e aumentar a sua insatisfação e a sua ansiedade.


Assim, cabe aos adultos estarem atentos e conhecerem o que é esperado ao longo do desenvolvimento do seu filho, indo ao encontro das suas necessidades sensoriais!

57 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Ser mais que as avaliações escolares*

Mesmo numa pandemia, num estado de sobrevivência remediativo, as avaliações escolares tiveram e têm um impacto significativo nas crianças e, sobretudo, nos pais das crianças. Mais uma vez, pelo segund

Ideias para estudar nas férias…brincando

Chegadas as férias, os pais procuram alternativas divertidas para…estudar! Poucos (ou ninguém) querem estudar nas férias de maneira tradicional e totalmente focados nos assuntos escolares. Aliás, nas

Chegaram as férias: estudar ou descansar?

Finalmente chegaram as férias!! Após (mais) um ano de confinamentos, isolamentos e aulas on-line, intercaladas com aulas presenciais, as crianças e os jovens sentem-se cansados, saturados e clamam por