• Alexandra Gomes

A Infância e a Neuroplasticidade no seu melhor

É nos primeiros anos de vida da criança, que os adultos, entusiasticamente, percecionam a sua velocidade de aprendizagem.

Trata-se de Neuroplasticidade!


Nos primeiros anos de vida da criança, o seu cérebro é mais moldável e ajustável física e funcionalmente. É como se de um “cérebro plástico” de tratasse.


De facto, nestes primeiros tempos de vida, o cérebro é como uma esponja que facilmente absorve a informação e rapidamente cria ligações entre as células, traduzindo-se, mais facilmente numa aprendizagem de sucesso, através da aquisição de competências como a linguagem, a atenção, a memória, a tomada de decisão e, emocionalmente, na espontaneidade como interage com as outras crianças.


Conscientes desta facilidade, segundo a psicomotrista Beatriz Pereira, os adultos devem estimular as crianças no estabelecimento de interações positivas com o outro, na aquisição de novas experiências e na obtenção de novos conceitos. No entanto, há que ter realçar que estas experiências devem ser ricas, na qualidade vivenciada e não na quantidade! A super estimulação apresenta o risco de diminuir o foco da criança, a sua tolerância à frustração e aumentar a sua insatisfação e a sua ansiedade.


Assim, cabe aos adultos estarem atentos e conhecerem o que é esperado ao longo do desenvolvimento do seu filho, indo ao encontro das suas necessidades sensoriais!

65 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Depois de um dia de escola e outros afazeres das crianças e dos jovens, estudar e/ou fazer os TPC’s pode ser uma tarefa hercúlea, pela sua dificuldade e pelo aborrecimento que daí derive. Para alguns

Nem sempre é fácil os alunos concentrarem-se na sala de aula e, mesmo sendo bons alunos, por vezes, essas dificuldades fazem-nos sentir frustrados! Fatores como aulas mais ou menos aborrecidas, conteú

“O Patinho Feio”, é uma obra literária que, à semelhança de muitas histórias, traz consigo ensinamentos, reflexões e questionamentos sobre a forma como se vive. Importa, por isso, atentar nalgumas pas