• Alexandra Gomes

A interdependência das emoções e da experiência humana

As emoções são interdependentes da experiência humana. Por um lado, a forma como é experienciado o mundo, depende do padrão emocional de cada um. Por outro lado, são as emoções que determinam o modo como a pessoa se comporta no dia a dia.


São cada vez mais os casos diagnosticados com ansiedade ou depressão, condicionando significativamente a vida das pessoas. O padrão atual de vida é hiperativo, agitado e pressionado por mais e mais. É o “trânsito infernal”, é o “trabalho desmotivante”, é a intolerância entre as pessoas, sejam ou não familiares, e é a ausência de recursos pessoais para enfrentar estes pequenos grandes desestabilizadores.


A questão é que estas situações continuam a acontecer e as emoções a surgir, sejam mais ou menos agradáveis. Não é mau sentir ansiedade… o que é mau é ela condicionar o dia, impedindo de desfrutar das coisas positivas que possam surgir. Não é mau sentir tristeza… o que é mau é não acolher essa emoção e colocá-la “debaixo do tapete”, evitando senti-la.


O problema não são as emoções, mas sim a forma como se acolhem e regulam. Quando estas são ignoradas, na maioria dos casos desenvolvem-se comportamentos disruptivos, seja pelo consumo de álcool ou drogas, pela compulsão alimentar ou por outros comportamentos obsessivo compulsivos.


Importa saber que todos têm a oportunidade de escolherem…de optarem pelo caminho a seguir. A opção por comportamentos disruptivos, como os acima identificados, representa apenas uma forma temporária de “esquecer” e adiar o problema.


Porque as emoções estão permanentemente na vida de cada um, para além de acolhê-las e senti-las, é importante saber regulá-las, de forma equilibrada e saudável.


Segundo a Psicóloga Sara Cruz, o treino da regulação emocional permite que as pessoas aprendam a lidar com as próprias emoções, de forma equilibrada e saudável. Através da regulação emocional, a pessoa consegue identificar, compreender e controlar as suas emoções. Como consequência destas habilidades, a pessoa torna-se emocionalmente saudável, mantém a calma em situações de stresse, torna-se assertiva, é capaz de resolver os conflitos com maior assertividade e mais dificilmente se descontrola e é dominada por emoções como raiva ou tristeza.


Neste sentido é reiterada a importância de, desde cedo, ensinar às crianças estratégias adaptativas de regulação emocional, possibilitando um desenvolvimento saudável.

76 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

“Trata o outro como gostarias que te tratasse a ti”. Este é um princípio humano fundamental na conduta empática e assertiva. Deste princípio advém uma outra premissa, igualmente importante, para a for

Acontecimentos intensos como um dia de aulas mais difícil, um professor menos tolerante, refeições tomadas apressadamente, aquele colega que escolhe “o melhor” momento para aborrecer, as disciplinas m

A realidade, sobretudo desde os últimos dois anos, reflete uma situação além do expectável pela humanidade, o que a faz sentir-se sem recursos para gerir as situações de forma equilibrada e é geradora