top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Apresentação dos trabalhos escolares: o apoio parental na gestão da ansiedade

Poucas são as crianças ou os jovens para quem é indiferente a exposição em público e a respetiva avaliação, ainda mais quando o “público” são colegas cujas opiniões são tão valorizadas!


Seja devido à timidez ou à reduzida autoconfiança, a ansiedade na apresentação de trabalhos escolares afeta muitas crianças e jovens, prejudicando a sua avaliação.


Perante este cenário, para evitar que a situação de agudize ou perpetue, os pais/educadores informais devem ajudar o seu filho na superação da ansiedade, no aumento da confiança em si próprio e na melhoria do seu desempenho, ganhando a admiração dos colegas e professores.


Para isso devem:


1. Transmitir segurança e fazer com que os filhos se sintam importantes e amados. Os pais devem conversar com o filho, passar mais tempo com ele e acolhê-lo mesmo quando comete erros, ajudando-o a percecionar estes momentos como uma oportunidade de aprendizagem e evolução.


2. Incentivar a compreender o assunto a apresentar e não fomentar a memorização do mesmo. A memorização dos conteúdos, sem a sua compreensão, é um fator gerador de ansiedade, colocando em causa a perceção das competências diretas do filho. Os pais devem fazê-lo entender que é importante estudar o conteúdo para o compreender e, assim, apresentá-lo de forma mais tranquila. Deste modo, apresenta de forma mais entusiasmante e no caso de se esquecer de algo, com maior facilmente consegue improvisar. No mesmo sentido, quando for interpelado pelo professor, ou por um colega, consegue responder.


3. Ajudar a planear a apresentação. Quando a apresentação está devidamente planeada, coerente e motivadora, o filho mais facilmente descontrai. Por isso, os pais devem ajudá-lo a refletir numa forma de apresentar o trabalho de acordo com o tempo disponível e utilizando recursos que mais facilmente motivam a atenção da turma. Podem começar por dividir o trabalho em introdução, desenvolvimento e conclusão e dentro de cada parte, recorrer a meios, como slides, música ou outro material, de forma a tornar interessante a apresentação.


4. Ensaiar a apresentação com o filho. Incentivá-lo a ler em voz alta e assistir ao ensaio, dando-lhe o respetivo feedback.


5. Afastar o filho de apresentações monótonas, evitando a leitura do texto. Essa é uma estratégia adotada pelos alunos mais ansiosos, embora não resolva o problema, apenas camufla-o mantém nas apresentações seguintes.


6. Atentar à comunicação não verbal do filho. Uma criança ansiosa, tende a manifestar esse estado de ânimo através da repetição de gestos, do balançar do corpo, das tremura e sudorese das mãos, do olhar cabisbaixo, entre outros. Estes comportamentos comprometem a apresentação, pelo que devem ser disponibilizadas estratégias de regulação postural como olhar para um ponto fixo no fundo da sala, usar uma esferográfica como “muleta” e movimentar-se no espaço de apresentação.


7. Trabalhar a respiração, a meditação e promover a prática do exercício físico. Esta prática deve ser diária e não só na véspera, para que o filho se familiarize com este estado de relaxamento e o integre na sua vida e não apenas nos momentos geradores de maior ansiedade, sob o risco de não os conseguir praticar, devido à ansiedade do momento.


8. Não se aborrecer e transmitir motivação para na próxima correr melhor. É natural que o esforço do filho não surta o efeito desejado num primeiro momento. Quando isto acontecer, o que mais importa é conseguirem falar sobre o assunto e avaliar o que podem fazer diferente ou melhor numa próxima oportunidade. O elogio também é bem-vindo nestas alturas pois, mais importante que os resultados, importa a coragem e o esforço para ultrapassar o nervosismo durante a apresentação. Desta forma, não apenas diminui os estados de ansiedade como fomenta no filho a habilidade resiliente.

O apoio dos pais é fundamental para evitar ansiedade nas apresentações dos trabalhos escolares. Ao fazê-lo estão a criar laços de compreensão, segurança, carinho, tolerância e amor incondicional para com o filho!



67 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como atuar quando as crianças têm pesadelos frequentes?

Como foi referido num artigo anterior, os pesadelos recorrentes em crianças podem ser causados por uma variedade de fatores, perante os quais é necessário atuar com sensibilidade e cuidado, de forma a

Commenti


bottom of page