top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Crianças “à beira de um ataque de nervos”: gestão Parental (i)

Ser pai ou mãe é tão desafiante como extraordinário!


Cada dia é um mistério, no qual podem estar guardados tesouros mais ou menos estimulantes…


Vivenciar a parentalidade é trilhar um caminho por tentativa-erro e trabalhar a resiliência, o Amor Pleno, a bondade e a generosidade genuínas!


A questão é que, não tão poucas vezes assim, as expectativas dos pais, em relação à própria parentalidade, ficam aquém do espectável e o confronto com a densidade parental é colocado à prova nos episódios “birrentos” da criança. Ao cansaço de um fim de dia mais ou menos atribulado, junta-se a saturação da criança, traduzida nas conhecidas “birras”!

Lidar com essas birras nem sempre é fácil; nem sempre os pais estão preparados para, com tranquilidade, irem ao encontro dos pedidos de ajuda disfarçados das crianças. Por exemplo, em pleno supermercado, a criança começa a manifestar-se efusivamente através de gritos e choro e a vontade dos pais é desaparecer, como que por magia ou ignorar como se tomassem a pílula do esquecimento, na (quase sempre vã) esperança que a birra pare. Uma outra reação é a reatividade mais agressiva dos pais, com a elevação do tom de voz e a incontinência verbal, traduzida em palavras e frases que nem sempre são as mais sadias de serem escutadas.


A boa notícia é que:


  1. Estas condutas estão/estiveram presentes, pelo menos 1 vez, na maioria das famílias portuguesas;

  2. Há sempre solução, a qual com esforço, persistência e disciplina, reequilibra o bem-estar nas crianças e nos seus pais.

Deste modo, a proposta é substituir algumas frases que, num ápice, demonstram o “fel parental ocasional”, por expressões mais adequadas ao desenvolvimento emocional salutar e equilibrado.

Por exemplo, ao invés de um “para de atirar as coisas”, deve adotar-se a comunicação não violenta com a expressão “ao atirares os brinquedos, eu acho que já não gostas de brincar com eles… É isso que se passa?”. Desta forma, a criança tem a oportunidade de reorganizar o seu comportamento.

A expressão “Para de dizer não!” deve ser substituída pela expressão “Já percebi que não queres isto…Então, vou ajudar-te a descobrir o que podemos fazer diferente”. Desta forma, o foco passa para a adoção de uma perspetiva na solução.


A utilização da expressão “os meninos crescidos não choram” é a manifestação de uma grande mentira. À medida que crescem, mais e maiores serão os problemas da criança e a probabilidade de agudizar a sua expressão, aumenta também. Ao contrário do que a expressão erroneamente adotada tenta transmitir, os adultos também expressam as suas emoções e uma das formas é através do choro. Ao dizer que “menino não chora”, o adulto está a contribuir para a repressão emocional da criança, prejudicando, o seu desenvolvimento Psicoemocional.


Comumente é ouvida e proferida a expressão “Tem calma! Não te enerves!” a qual é, mais uma vez, a manifestação da repressão emocional da criança. Pelo contrário, o adulto tem um papel fundamental na gestão emocional da criança, ajudando-a a manifestar a sua raiva e adotando comportamentos que não prejudiquem a si própria e aos outros.


Por último, a tão conhecida frase “Vai já lavar os dentes”, nem sempre surte o efeito desejado pelos pais… Para as crianças, esta é uma ótima oportunidade de exercer controlo sobre o seu ambiente. Assim, os pais respeitam essa necessidade, conferindo à criança o poder/o controlo…de optar por um de dois comportamentos: “Queres lavar primeiros os teus dentes ou os do teu boneco?”.


Assim, com a substituição de expressões mais agressivas por outras não violentas, os pais conferem segurança à criança e promovem a sua capacidade de resiliência e autoconfiança!

103 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como atuar quando as crianças têm pesadelos frequentes?

Como foi referido num artigo anterior, os pesadelos recorrentes em crianças podem ser causados por uma variedade de fatores, perante os quais é necessário atuar com sensibilidade e cuidado, de forma a

Commentaires


bottom of page