• Alexandra Gomes

Educação emocional familiar: princípios fundamentais

A educação emocional familiar rege-se, segundo os autores Elias, Tobias e Friedlander (2021) por princípios que se traduzem em objetivos familiares, sendo estes:

1. Ser consciente das próprias emoções e das dos outros.

É fundamental identificar e descrever, em palavras, as próprias emoções. Alguns problemas comportamentais infantis resultam de dificuldades sentidas pelas crianças e na identificação e nomeação das emoções, gerando sentimentos de frustração e incompreensão. Sendo capazes de identificar as suas emoções, as crianças/os adultos veem aumentada a sua capacidade de controlo e regulação emocional, acrescendo benefícios escolares, profissionais, sociais e pessoais.


2. Ser empático e compreender o ponto de vista do outro

Quanto melhor conhecerem as próprias emoções, mais facilmente identificam as emoções dos outros e, desta forma, desenvolvem a sua capacidade de escuta ativa e de interpretação da linguagem não verbal do outro (tom de voz, postura corporal…). Nestas situações, os pais devem transmitir às crianças, as consequências de todos os comportamentos e a multiplicidade de formas de pensar e agir.


3. Interpretar os impulsos emocionais de forma construtiva e regulá-los emocionalmente.

Desenvolver a capacidade de adiar a recompensa e lidar com a frustração, é uma habilidade emocional fundamental para o desenvolvimento equilibrado da criança. Uma criança insegura apresenta maior dificuldade em adiar a recompensa, pela insegurança sentida até a obter.


4. Definir objetivos positivos e traçar planos para alcançá-los

Ter objetivos, saber o que vai fazer é muito importante para cada um, pois desta forma desenvolve o otimismo e a esperança.


5. Utilizar competências sociais positivas para gerir as relações

Quando se fala em competências sociais, na inteligência Emocional, o foco é nas competências de comunicação e na capacidade de resolução de problemas. Estas são duas habilidades essenciais na gestão positiva das relações interpessoais, seja na família, na escola, no trabalho ou com os amigos. É muito importante saber identificar e gerir as diferentes emoções, expressar claramente as próprias ideias e chegar a um acordo. Para desenvolver estas competências, as férias escolares são uma boa oportunidade.


Fonte: Educar com Inteligencia Emocional (Maurice Elias, Steven Tobias y Brian Friedlander; 2021)

52 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O desgaste que é provocado pelo exercício da atividade de ensino, tem impacto significativos na saúde mental dos professores, sendo, por isso, importante que sejam aplicadas metodologias e abordagens

Estamos em Dezembro! Os dias estão menos claros, a chuva marca o seu lugar e o frio, timidamente, tenta aparecer e ficar, mas ainda por breves momentos. Seja de que forma for, por entre resquícios pa

Quando se fala em Bullying, espontaneamente considera-se como sendo uma realidade grave entre crianças. Mas o Bullying é também uma realidade entre os adultos, particularmente entre os professores, co