top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

“Ele é tão desorganizado…!”


“Ele é tão desorganizado…!”


Esta é uma querela comum entre os pais dos dias de hoje.


As crianças e os jovens, num número maior que o desejado, são desorganizados. Este é um quadro gerador de tristeza, frustração, desesperança e desgaste emocional vivenciado pelos pais.


A boa notícia é que as competências de organização são uma habilidade e, como tal, aprendem-se e, com exercício, tornam-se imprescindíveis na vida de cada um. Como habilidade que é, necessitam de prática e persistência que, quando aprendidas, ajudam as crianças e os jovens na organização e na conclusão de tarefas, sejam elas escolares ou domésticas.


Por sua vez, ao adquirirem estas competências, as crianças e os jovens sentem-se mais competentes, confiantes e eficazes, o que, por sua vez, reforça a sua autoestima.


Os pais têm um papel fundamental nesta aprendizagem por ensinarem os seus filhos pequenos passos que os ajudam a ser mais organizados e responsáveis no desempenho das suas tarefas.


Estes passos passam por:


1. Preparar-se. Antes de realizar a tarefa, devem reunir todo o material necessário e planear a sua consecução.


2. Manter-se focado e evitar os estímulos distratores. Esta etapa requer a realização efetiva da tarefa, mesmo quando apetece fazer outra coisa qualquer. A criança deve saber que embora estar concentrado seja difícil, com a prática melhora. Para manter o foco pode fazer intervalos breves para se esticar ou pensar no que irá fazer quando terminar a tarefa.

    

3. Terminar a tarefa. No caso das tarefas escolares, as crianças e os jovens devem rever as tarefas para identificar eventuais erros e corrigi-los, colocar os seus nome e a data de realização, coloca-los no dossier adequado e dentro da mochila.


4. Realizar primeiro as tarefas necessárias e só depois as escolhidas. Uma vez que no início de qualquer demanda os níveis motivacionais são maiores, deve aconselhar-se as crianças e os jovens a realizarem, primeiramente, os seus deveres para depois realizarem, mais satisfatoriamente e com a sensação de missão cumprida as tarefas prazerosas.


5. Ensinar o filho a usar listas e calendários. Desta forma é facilitada a visualização e a autogestão das suas tarefas e atividades. Pode também utilizar um código de cores (por exemplo vermelho para as tarefas mais urgentes e verde para as tarefas para realizar até ao final da semana).


6. Responsabilizar as crianças e os jovens para a realização de determinadas tarefas, reforçando a autonomia e encorajando as crianças e os jovens a aceitar as suas responsabilidades.


Passo a passo e de forma consciente, com a devida orientação parental, as crianças e os jovens tornar-se-ão mais organizados, confiantes e responsáveis para trilharem caminhos de sucesso!


28 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O papel da literacia financeira no desenvolvimento infantil

A incorporação de conhecimentos sólidos em Literacia Financeira (LF) é fundamental para o sucesso da Educação e para o exercício pleno da cidadania. Segundo a OCDE (Organização para a Cooperação e Des

“As máscaras que não queremos tirar”

Estamos em época carnavalesca e esta é uma fase em que também os adultos aproveitam para se fantasiar de personagens que gostavam de ter sido ou de figuras que lhes permitam ser quem naturalmente não

bottom of page