top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Estratégias Parentais Promotoras da Inteligência Emocional dos Filhos

O compromisso com a parentalidade e a assunção pela formação de seres humanos estáveis emocionalmente implica que os pais se tornem responsáveis também pela própria saúde emocional. Por isso, é cada vez mais comum o interesse dos pais na temática da Inteligência Emocional e a sua preocupação em serem competentes emocionalmente.


Como foi referido em artigos anteriores, a Inteligência Emocional engloba as habilidades que permitem identificar, compreender e regular as próprias emoções e que ajudam a relacionar-se de forma saudável, nutritiva e assertiva para com os outros.


Quando são trabalhadas junto das crianças, estratégias de regulação emocional, estas têm a possibilidade de se conhecerem melhor, de aprenderem a autorregular-se emocionalmente e ver, assim, aumentada a sua autoestima.


Segundo a Psicóloga Laura Mitjana (@LauraRuizMit) os pais podem adotar algumas estratégias para com os seus filhos e, assim, educá-los emocionalmente:


1. Escutar sem julgar. Não basta prestar atenção apenas enquanto os filhos falam, mas também validar o que eles expressam, sem julgamentos. É importante proporcionar um espaço seguro e amoroso para que os filhos se consigam expressar sem medo e sentir que podem ser bem tratados e acarinhados.


2. Permitir que as crianças explorem o meio que as rodeia. Ter o cuidado de deixar que os filhos cresçam e explorem o seu mundo, sem lhes passar os seus próprios medos ou ansiedades infundadas. Desta forma é promovida a autonomia das crianças, para que estas se desenvolvem integralmente e aprendam quais as suas capacidades, o que favorece o seu autoconhecimento.


3. Apoiar os interesses dos filhos. Os filhos precisam de viver as suas próprias vidas e experiências e estas podem ser diferentes das suas. Desta forma, os pais percecionam os filhos como seres independentes e únicos e apoiam-nos nos seus interesses e motivações próprios, motivando-os a seguir em frente a experienciar novas oportunidades, sem impor.


4. Estabelecer limites claros. Ser capazes de estabelecer limites, normas e regras claras em casa e no exterior, para que as crianças se sintam seguras em todos os contextos. Parte fundamental para o desenvolvimento equilibrado da criança é a capacidade parental em estabelecer normas e padrões comportamentais, assentes em limites claros. Por sua vez, estes devem ser bem explicados, fáceis de compreender, estáveis, mas com alguma flexibilidade.


5. Ser empáticos. A empatia permite colocar-se no lugar dos filhos e a compreender o que sentem, oferecendo-lhes, emocionalmente, o que necessitam.


Neste sentido, é importante olhar para os filhos com olhos de criança e recordar que também passaram por esses momentos de aborrecimento, confusão e alegria. Desta forma é criada uma conexão com os filhos, o que, por sua vez, faz com que estes confiem mais nos pais e os percecionem como alguém capaz de os acolher nos momentos mais difíceis.

40 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como atuar quando as crianças têm pesadelos frequentes?

Como foi referido num artigo anterior, os pesadelos recorrentes em crianças podem ser causados por uma variedade de fatores, perante os quais é necessário atuar com sensibilidade e cuidado, de forma a

Commentaires


bottom of page