• Alexandra Gomes

Famílias Emocionalmente Inteligentes: porque sim.

“Trata o outro como gostarias que te tratasse a ti”. Este é um princípio humano fundamental na conduta empática e assertiva.

Deste princípio advém uma outra premissa, igualmente importante, para a formação de Crianças capazes, responsáveis, autónomas e felizes: “Trate os seus filhos como gostaria que os outros os tratassem”.


Os pais desejam que as outras pessoas honrem e respeitem os seus filhos, tratando-os com delicadeza e consideração e que não lhes causem nenhum mal-estar.


Afinal, como se sente quando os outros faltam ao respeito aos seus filhos? Naturalmente incomodado e questionando a autoridade do outro para tratar assim o seu filho.


Mas a questão agora é: alguma vez fez ou disse algo aos seus filhos, as quais se fossem dito por outrem, o fazia sentir indignado e muito aborrecido?


Esta divergência é minimizada na educação emocional dos pais e consequentemente dos filhos. É fundamental que a Inteligência Emocional seja, também, trabalhada com os pais, e não “apenas” com as crianças, sob o risco de não ser validade e reforçada.


Os tempos mudam, a vida é frenética, complicada, desafiante e esgotante. Todos são hiperestimulados de informação e, por isso, mais do que se trabalhar a Inteligência Emocional com as crianças, é fundamental trabalhar com as famílias, gerando Famílias Emocionalmente Inteligentes.


Desta forma, é criado um modo de reestabelecer a sensação de equilíbrio, quando surgem situações de distresse. Tal como foi referido anteriormente, o stresse é benéfico quando é positivo – eustresse – mas quando excessivo torna-se prejudicial, impedido cada elemento de dar o seu melhor, como Ser humano.


Que neste novo ano letivo, sejam também convidadas as famílias a desenvolver a sua Inteligência Emocional, gerando-se Famílias Emocionalmente Inteligentes.


70 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O desgaste que é provocado pelo exercício da atividade de ensino, tem impacto significativos na saúde mental dos professores, sendo, por isso, importante que sejam aplicadas metodologias e abordagens

Estamos em Dezembro! Os dias estão menos claros, a chuva marca o seu lugar e o frio, timidamente, tenta aparecer e ficar, mas ainda por breves momentos. Seja de que forma for, por entre resquícios pa

Quando se fala em Bullying, espontaneamente considera-se como sendo uma realidade grave entre crianças. Mas o Bullying é também uma realidade entre os adultos, particularmente entre os professores, co