• Alexandra Gomes

Finalmente as férias para quem mais precisa delas

Finalmente chegaram as férias para quem mais precisa delas: os mais pequenos heróis da educação em Portugal.


Ontem foi o último dia de um ano letivo, igualmente exaustivo, para as crianças do Ensino Público pré-escolar e do 1º Ciclo.


Valha-nos a sua resiliência e o seu desconhecimento de causa para atenuar a saturação sentida por elas, num corre-corre para a escola.


Nesta última semana o cenário era geral: professores naturalmente cansados, conteúdos transmitidos já desvalorizados, pais em modo confuso “metade férias do mais velho e metade aulas do mais novo” e as crianças, os nossos heróis, bastante aborrecidos porque, sem saberem porquê, ficavam facilmente irritáveis, intolerantes e pouco aplicados nos “Programas Curriculares” que tinham que ser concluídos.


O calendário estica-se de ano para ano, e no próximo ano, vão vá nova pandemia surgir, o dia 01 de julho também será, para os mais pequenos, o último dia de aulas!


Mas afinal, o que se pretende com o “esticar” do calendário letivo?


É transversalmente sabido que as múltiplas interrupções letivas, existentes ao longo do ano, não souberam a descanso mental e a “merecidas férias”. As crianças continuaram com horários para cumprir e com tarefas para desempenhar, pela impossibilidade natural dos pais estarem com elas.


Sobretudo para os mais pequenos, a arte de “não fazer nada”, de simplesmente estar, do aborrecimento criar ocupações e do genuinamente brincar é um direito! Direito esse que lhes está a ser negado e a oportunidade em crescer como Seres Humanos Emocionalmente Inteligentes lhes está a retirada.


“Acrósticamente”, ser CRIANÇA é Criar, Rir, Inventar, Alegrar, Nutrir, Cantar e Amar. Saibamos nós, adultos e governantes, respeitar estes atributos tão especiais e desformatar a urgência em criar génios, infelizes e resignados.

39 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A escrita, desde sempre foi considerada uma ferramenta com múltiplos benefícios para a criança, o jovem e o adulto. Antes de mais, a escrita representa uma forma de comunicação com o mundo. É um meio

“Os sonhos transformam miseráveis em reis e a ausência deles transforma milionários em mendigos” Roberto Recinella Todos sonhamos! Quanto mais não seja, quando dormimos. Mas sonhar “de olhos abertos”

Nos últimos anos, agudizado pela pandemia que vivemos, a adoção (efetiva ou pela compra) de um animal doméstico aumentou. A preferência tem caído entre o cão – meigo, obediente e sociável, sobretudo c