• Alexandra Gomes

O mundo percecionado pela criança

A autora de livros infantis, Marta Coelho, descreve amorosamente o que é o mundo visto pelos olhos de uma criança.

Para uma criança tudo é possível e, por isso, “todas as montanhas são alcançáveis”.


A magia está em cada recanto que os seus olhos conseguem alcançar e até “as poças servem de piscina” e a “areia é a desculpa ideal para fazer castelos, pontes e túneis, croquetes humanos, para se enterrarem com as cabeças de fora”.


Os seus curativos são os de amor e o beijinho da mãe magicamente afasta a dor.


Através das nuvens contam-se as histórias mais incríveis.


Uma festa é feita com “a sua comida preferida” e tudo o que é embrulhado é como que um presente à espera de ser descoberto.


São os exemplos dos adultos aqueles que as inspiram e as suas promessas “valem ouro”.


Aquela história é contada vezes sem conta e nela há sempre uma novidade.


O mundo, para elas, está à “espera de ser descoberto”, com “brincadeiras infinitas e um sorriso para cada ocasião”.


E o mais triste é que à medida que crescem e se vão tornando adultos, esquecem-se que já olharam o mundo assim, da sombra faziam luz, do cinzento criavam cor e das lágrimas faziam sorrisos.


Que a leitura deste texto, ative em cada adulto a vontade de despertar a criança dentro de si e não deixar que as suas crianças percam a magia de serem quem são.

Obrigada Marta!


Fonte: O mundo pelos olhos de uma criança (uptokids.pt)

44 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A felicidade de ter um filho e o desejo que ele cresça e seja feliz é grandioso e sem limites. O amor é incondicional e o medo que algo de mal lhe aconteça é diretamente proporcional. As emoções sobre

As crianças, como seres especiais e únicos que são, comunicam das mais variadas formas, seja através do comportamento ou da postura corporal, seja através de brincadeiras ou até mesmo de uma linguagem

“A educação financeira é um elemento fundamental na educação”. Quem o diz são os autores da obra literária, intitulada “Educação Financeira na Escola” (Ed. Paco & Littera). Conceitos como “endividamen