• Alexandra Gomes

Psicologia das Emoções na Época Natalícia II: aprender a relativizar

Na continuidade do que foi descrito anteriormente, ainda que esta seja uma época expectavelmente feliz, harmoniosa e divertida, não tem que ser assim sentida.


Quando se vivenciam momentos emocionalmente difíceis, um dos melhores métodos para lidar com esta época do ano é relativizar, ou seja, dar às coisas, a importância que elas têm para cada um.


O Natal não tem que ser uma época em que todos têm que estar bem, presentes em todos acontecimentos, sorrir, dar resposta a todas as solicitações…


Ao relativizar esta época, a pessoa permite-se sentir livre para experimentar e viver o Natal à sua maneira, com as próprias emoções. Quando o Natal faz sentir emoções negativas, está tudo bem; há que ficar atento a essas emoções e acolhê-las para fazer a mudança.


Esta época pode ser vista como uma oportunidade para percecionar o que prejudica e magoa de outra forma, como uma aprendizagem do autoconhecimento e da regulação emocional. Este é o primeiro passo para a evolução e para fazer mudanças, para definir diferentes objetivos que convidam a dar uma série de passos, os quais permitem experienciar emoções mais positivas como a força de vontade e a motivação.


Uma outra estratégia que promove sentimentos positivos é estar atento, observar e melhorar os próprios pensamentos.

Ao associar-se o Natal a algo triste, os pensamentos aí gerados vão reforçar essa crença e a mente encarrega-se de criar e resgatar memórias dolorosas que validem essas emoções.


Por este motivo, é importante cuidar e utilizar os pensamentos de forma positiva, sem permitir que ideias negativas sejam alimentadas e gerem mal-estar no próprio. Também por esta razão é importante relativizar o Natal, torná-lo mais neutro, para que torne as coisas mais fáceis e leves na hora de vivenciá-lo.


Que este Natal seja vivenciado e sentido de forma fiel à essência de cada um, em Verdade e Tranquilidade!

52 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

“Trata o outro como gostarias que te tratasse a ti”. Este é um princípio humano fundamental na conduta empática e assertiva. Deste princípio advém uma outra premissa, igualmente importante, para a for

Acontecimentos intensos como um dia de aulas mais difícil, um professor menos tolerante, refeições tomadas apressadamente, aquele colega que escolhe “o melhor” momento para aborrecer, as disciplinas m

A realidade, sobretudo desde os últimos dois anos, reflete uma situação além do expectável pela humanidade, o que a faz sentir-se sem recursos para gerir as situações de forma equilibrada e é geradora