top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Quando as crianças têm medo de dormir sozinhas


As crianças, na sua maioria, têm medo de dormir sozinhas. Este é um estado emocional relacionado com os medos que a criança desenvolve pelo mundo. Por vezes são medos reais e outras vezes são “medos fantasma”, isto é, do seu imaginário.

 

Como emoção que é, o medo (sendo real) assegura a sobrevivência das crianças e faz parte do seu desenvolvimento, sendo normal que estas o sintam (tal como as outras emoções).

 

Chegada a noite, na hora de irem para a cama, o medo presenteia as crianças. Isto dá-se por dois motivos: por um lado as crianças sentem-se desprotegidas por ficarem fisicamente separadas dos pais e por outro, quando as luzes se apagam tudo o que é palpável e que elas conhecem desaparece, dando lugar às formas mais estranhas, tanto quanto a sua imaginação as levar.

 

Nesta fase desenvolvimental, mais uma vez, o papel dos pais é determinante na forma como as crianças lidam e superam este medo. Cabe sobretudo aos pais ensinar os seus filhos a lidarem com o medo e assim, prepararem-nos para o futuro.

 

Neste sentido, seguem-se algumas sugestões para ajudar os pais a auxiliarem os seus filhos na superação deste constrangimento:

 

· Conversar com os filhos, escutando-os e tranquilizando-os. Compreender a origem doas medos das crianças é muito importante para ajudá-los. Antes de mais é importante desmistificar os medos reais. Estes podem resultar do desconhecido e quanto mais familiarizados com os objetos do medo, mais seguros se sentem em relação ao mesmo. Os pais devem também tranquilizar as crianças, reforçando o sentido de segurança sempre que elas precisarem. Estas conversas devem ser tidas idealmente durante o dia, ajudando-as a construir a autoconfiança à luz do dia e assim fazendo com que elas se sintam seguras à noite.


· Apelar à criatividade usando técnicas adaptadas à faixa etária das crianças. Uma das ferramentas é o “pulverizador antimonstro” para acalmar os mais pequenos. Os animais de estimação também são excelentes guardiões do sono das crianças e dos seus sonhos mais estranhos, impedindo-os que na realidade as prejudiquem.


· Não relativizar os medos das crianças ou utilizar expressões como “não ligues”.  Os medos das crianças são sentidos por elas como reais e desacreditar ou desvalorizá-los só faz com que deixem de os manifestar perante os pais. E uma vez que estes medos têm de se expressar de alguma forma, por vezes acontece do modo mais prejudicial para as crianças (falta de atenção, irritabilidade, tiques, dores de cabeça, de estômago, enurese…). Cabe aos pais protegerem os filhos para que se sintam seguros e percam os medos.


· Ajudar a criar mecanismos de defesa e técnicas de relaxamento.  Os pais educam pelo exemplo, por isso partilhar com as crianças os seus medos quando eram mais novos e a forma com que os ultrapassaram, faz com que os filhos entendam que se os pais conseguiram eles, com a sua ajuda, também vão conseguir. Na hora de dormir os pais também podem recorrer a técnicas de visualização de cenas relaxantes, utilizando meditações que se encontram em plataformas disponíveis para todos. Isto vai ajudar as crianças a substituírem os pensamentos negativos por pensamentos positivos, gerando assim emoções positivas. 


· Estabelecer limites, regras e rotinas assegurando a criação da disciplina, ferramenta essencial na educação parental. Estas rotinas passam pela hora de ir para a cama com pequenos rituais tranquilizantes e que transmitam à criança a previsibilidade necessária para uma boa noite de sono.


· Manter a televisão ou outros ecrãs desligados pelo menos na hora e depois do jantar. Não é novidade que a televisão ou outros ecrãs estimulam a criatividade das crianças e o lado menos bom desta benesse é o aumento da ansiedade na hora de dormir. Assim, os pais devem aproveitar os momentos antes de irem para a cama, passando tempo útil com os filhos (ler uma história, fazer jogos de palavras ou de tabuleiros, ou simplesmente conversar).


· Oferecer um peluche ou um boneco de segurança às crianças, preferencialmente que seja macio, de alguma personagem que gosta muito. Fomentar todas as noites a relação entre os dois, colocando o boneco próximo da criança. Desta forma, ir-se-ão sentir acompanhadas e relaxadas e minimizando os pensamentos geradores de ansiedade.


· Luz de presença. A luz é uma ótima solução para eliminar os medos uma vez que na ausência de escuridão, a imaginação torna-se mais difícil para criar personagens assustadoras para as crianças. Há cada vez mais opções de luzes que tranquilizam as crianças sem as prejudicar.


A seu tempo, com algumas estratégias, as crianças acabam por superar este medo e associar às noites de sono, um momento tranquilizador e retemperador para um novo dia.

 

24 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como pode a escola formar alunos felizes?

A escola desempenha um papel crucial na formação de alunos felizes, não apenas fornecendo conhecimento académico, mas também promovendo competências sociais, emocionais e pessoais. Várias são as estra

Como gerir a pressão nos períodos de avaliação

Os períodos de avaliação representam um momento inquietante para os alunos e gerador de uma sintomatologia ansiogénica inevitavelmente prejudicial. Lidar com a pressão nos períodos de avaliação é desa

Comments


bottom of page