top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Quando os pais têm de repetir, repetir, repetir…em vão: o que fazer?


É muito frequente ouvir os pais, em tom de desabafo, sobre as inúmeras vezes que têm de repetir tudo uma e outra vez, perante a indiferença dos filhos.


Mas, será que os filhos realmente ignoram os pais?


A resposta não é linear pois são vários os fatores que condicionam a forma como os pais comunicam com os filhos, para além do interesse que estes têm no que os pais querem/tentam comunicar.


Os motivos de repetição dos pais, comummente passam por pedidos em tomar banho, vestir-se, lavar os dentes, preparar a mochila, entre outros. Perante as repetições permanentes, o que pais e filhos ganham é exaustão e frustração parental e, consequentemente autoritarismo para com os filhos.


Então, o que fazer?


Antes de mais, não há espaço para culpabilizações, na medida em que estas repetições em vão são muito frequentes, entre os pais e em nada reflete uma frágil parentalidade.


No entanto, alguns procedimentos podem ser adotados pelos pais e sistematizados, de forma a passaram a ser escutados e considerados pelos filhos. Estes são:


1. Deixar de repetir. Segundo Einstein “Se queres que aconteçam coisas diferentes, muda também como as fazes”. Após várias repetições, as palavras ficam desprovidas de significado e qualquer efeito, pela banalização que passam a ter. Assim, os pais devem dizer apenas uma vez.


2. Utilizar uma linguagem simples e compreensível. Abandonar as longas explicações e justificações para fundamentar o pedido. “Descomplicar” é a chave para que as crianças apreendam o que lhes é pedido. Assim, basta descrever o que querem, o que é esperado que façam, da forma mais simples possível, adotando frases curtas e de fácil compreensão, tendo o cuidado de adaptar a linguagem à sua idade e compreensão. As explicações, devem deixar para depois.


3. Não ameaçar ou gritar às crianças, sobretudo quando estão cansados e frustrados de repetir tantas vezes o mesmo. Ainda que seja desafiante cumprir este ponto é algo que os pais devem estar sempre conscientes por cumprir. É nestes momentos que estes devem ter mais paciência e entender que com gritos não alcançarão nada. Ao alterar o tom de voz ou ameaçar os filhos para que façam algo, os pais estão a educar por medo e não por respeito.


4. Manter o contacto visual e a atenção da criança na hora do solicitado. Para além de se assegurarem da utilização de frases curtas e claras, os pais devem manter o contacto visual, transmitindo aos filhos que também os escutam e compreendem a informação.


5. Educar pelo exemplo. A educação é mais efetiva pelo exemplo do que pelo discurso. Para tal deve haver coerência na educação dos pais e do seu modo de vida. Por exemplo, se querem que os filhos façam as suas camas, os pais devem assegurar que a sua cama também está feita. Pode ser necessário, inicialmente ajudar os filhos a fazerem, servindo de modelos de realização da tarefa.


6. Confirmar que a mensagem foi recebida e compreendida. Realizado o pedido ou transmitida a mensagem é importante, para que as crianças possam afirmar/confirmar que vão realizar a tarefa em questão. Assim, os pais asseguram-se da receção da mensagem e não têm de a repetir vezes e vezes.


7. Amar e respeitar: elementos-chave. Todos estes procedimentos devem ser feitos com amor e respeito, felicitando e reconhecendo quando faz as coisas da forma como os pais esperavam que fizesse.

83 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como pode a escola formar alunos felizes?

A escola desempenha um papel crucial na formação de alunos felizes, não apenas fornecendo conhecimento académico, mas também promovendo competências sociais, emocionais e pessoais. Várias são as estra

Como gerir a pressão nos períodos de avaliação

Os períodos de avaliação representam um momento inquietante para os alunos e gerador de uma sintomatologia ansiogénica inevitavelmente prejudicial. Lidar com a pressão nos períodos de avaliação é desa

Comments


bottom of page