top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Riscos da superproteção infantil

A felicidade de ter um filho e o desejo que ele cresça e seja feliz é grandioso e sem limites. O amor é incondicional e o medo que algo de mal lhe aconteça é diretamente proporcional. As emoções sobrepõem-se ao racional e não poucas vezes a ânsia de proteger a criança, torna-se num perigo e condiciona os seus desenvolvimento e bem-estar. A proteção contínua da criança impossibilita-a, também, de viver experiências essenciais, as quais beneficiam significativamente o seu desenvolvimento.


De um modo específico, quando a criança é muito protegida pelos pais, achando estes que estão a preservá-la de experiências negativas, geradoras de mal-estar, estão antes a aumentar constrangimentos com impacto negativo no seu desenvolvimento. Geralmente, a criança superprotegida, apresenta características como:


1. Baixa autonomia. Tem pouca experiência para resolver os seus problemas e realizar as suas tarefas quotidianas sociais, pessoais e escolares; torna-se numa criança que facilmente bloqueia, quando algo inesperado acontece.


2. Dificuldade em gerir a frustração. A criança, atualmente, vê as suas necessidades satisfeitas num curto espaço de tempo e de forma simples, muitas vezes à distância de um clique. Assim, perante as naturais contrariedades, tem escassos recursos pessoais para lidar com elas, por não ter experiências que a façam utilizar esses recursos.


3. Sentimento de insegurança. O facto de os adultos habitualmente auxiliarem a criança nas suas tarefas, esta adquire como princípio, a incapacidade pessoal em fazer algo sozinha. “Esta dinâmica exponencia o medo de falhar e a insegurança interna”, irradiando-se no seu dia a dia.


A fim de evitar a vivência destas situações, em nada abonatórias para a criança, é essencial que os pais a protejam, cuidem dela e garantam o seu bem-estar, à medida que certificam a sua liberdade, a possibilidade de experimentar vários papéis e de errar e frustrar-se perante situações, para si adversas.


79 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como atuar quando as crianças têm pesadelos frequentes?

Como foi referido num artigo anterior, os pesadelos recorrentes em crianças podem ser causados por uma variedade de fatores, perante os quais é necessário atuar com sensibilidade e cuidado, de forma a

Comentarios


bottom of page