• Encontros com a Educação

A escrita e a memória

Num período em que a tecnologia é a palavra de ordem, fazer apontamentos ou redações, exaltar pensamentos ou outras anotações de forma manuscrita pode aparentar algo antiquado. Contudo, o processo de redigir documentos ou apontamentos de forma manuscrita, tem um impacto muito significativo em áreas especificas no nosso cérebro, estimulando e desenvolvendo a memória visual de palavras e letras.


Apesar desta nova condição de vida que o uso das novas tecnologias no obriga é importante manter viva a “velha” tradição da escrita, se quisermos maximizar o tempo de estudo, melhorar a performance e as notas escolares, como também fazer perdurar, na nossa memória, aprendizagens que nos vão ser úteis ao longo da vida.


O desafio:


No período escolar optar sempre por elaborar os apontamentos de estudo de forma manuscrita.

Fora do período escolar, reservar um período do dia para redigir, de forma manuscrita, um pensamento, uma reflexão, ou mesmo, por iniciar uma jornada de redação de um diário

63 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Com a entrada no 1º ano de escolaridade é frequente ouvir comentários sobre a distração das crianças, sobretudo na sala de aula. A realidade é que, a capacidade de concentração não é espontânea; adqui

As férias estão a terminar e o regresso à escola e ao trabalho está a chegar. Regressar às rotinas, acordar cedo, cumprir horários, andar acelerado, é uma realidade pela qual quase todos passam e nem

O ruído é estimado uma das variáveis mais nefastas do ambiente e é considerado uma das principais causas das doenças socioprofissionais, provocando cerca de 70 000 acidentes de trabalho por ano[i]. Pa