• Alexandra Gomes

A Arte de Não Fazer Nada


A minha vida é muito preenchida e atarefada e,

ocasionalmente, perguntam-me

“Scotty, como é que consegues fazer tudo?”

A melhor resposta que posso dar é

“Porque, pelo menos, durante duas horas por dia

não faço rigorosamente nada.”

M. Scott Peck

“Parar é não fazer nada, na medida do possível, durante um determinado período de tempo (de um segundo a um mês) para conseguir uma maior consciencialização e recordar quem somos” (Kundtz, 2003; p.24)[i].


“Não fazer nada” é uma arte e não deve ser confundida com a total ausência de atividade. “Não fazer nada” é, antes de mais, realizar qualquer coisa de muito importante: é deixar a vida acontecer!


Quando se fala em “Parar”, não se refere ao deixar de apenas reagir ao ritmo da própria vida, mas sim escolher o que é melhor para si.


Na cultura Ocidental espera-se e impele-se a andar para a frente, sob o mote “parar é morrer”. E então, o Homem ocidental é, desde criança, integrado em múltiplas atividades e, enquanto adulto, impelido a desenvolver negócios, fazer coisas, realizar tarefas e assumir múltiplos papéis. E, neste prisma, “Parar” não parece assim tão atrativo, podendo entrar em ilusória contradição com os próprios valores fundamentais. O incrível é que não só não é contra esses valores como, ao “Parar” vai conservá-los e cultivá-los. Sem “Parar” os valores não são recordados e consciencializados e a própria identidade corre o risco de sofrer problemas graves.


“Parar” possibilita perceber os significados fundamentais da vida e recordar o que é realmente importante, a fim de se ordenar as prioridades e, a partir daí, saber o que se quer e como se quer proceder.


Estes momentos de paragem permitem que cada um recorde informação importante sobre si próprio, sobre a sua vida e encontre soluções há muito esperadas para a resolução de problemas.

[i] Parar. Como Parar Quando Temos de Continuar. (David Kundtz, 2003).

41 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O desgaste que é provocado pelo exercício da atividade de ensino, tem impacto significativos na saúde mental dos professores, sendo, por isso, importante que sejam aplicadas metodologias e abordagens

Estamos em Dezembro! Os dias estão menos claros, a chuva marca o seu lugar e o frio, timidamente, tenta aparecer e ficar, mas ainda por breves momentos. Seja de que forma for, por entre resquícios pa

Quando se fala em Bullying, espontaneamente considera-se como sendo uma realidade grave entre crianças. Mas o Bullying é também uma realidade entre os adultos, particularmente entre os professores, co