top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

O mito: “É muito inteligente mas…”


Existem 3 tipos de inteligentes: um deles aprende as coisas por si, o outro aprecia o que os do primeiro conseguem aprender e o terceiro não aprende, nem por si próprio, nem através dos outros. O primeiro tipo é excelente, o segundo é bom e o terceiro é inútil.


Niccoló Machiavelli


Desde há vários anos que se recorre descomprometidamente à premissa “É muito inteligente mas…preguiçosa”, desresponsabilizando e até resignando a criança à sua “sorte”. Embora seja uma criança “preguiçosa”, ela é “muito inteligente” por isso, está tudo bem: basta que ela queira e logo terá sucesso.


A questão é que, sendo a inteligência uma habilidade trabalhável, o seu quociente aumenta mas também diminui, e a criança vê limitadas as suas capacidades cognitivas. Por isso, para além de ser independente a criança deve trabalhar essa inteligência agora, amanhã e no futuro mais longínquo, pois só assim o sucesso aparece naturalmente!


Na sociedade atual, o “inteligente preguiçoso” não tem lugar nem espaço para ser porque ser-se inteligente requer trabalho e estudo, um pouco todos os dias e em qualquer fase da vida!


Todas as crianças são potencialmente muito inteligentes e, às vezes, basta um pequeno auxílio especializado para descobrir a forma mais adequada para promover a sua inteligência e ser um estudante e potencial profissional de sucesso!


Mais do que saber o quanto sou inteligente, é necessário conhecer as estratégias mais adequadas ao escalar da minha escada da inteligência.


Referência Bibliográfica


Correia Gomes, A. & Argüelles Madeira, P. (2016). O Poder dos 3 Saberes no Sucesso. Para pais e filhos criadores do seu próprio sucesso. Lisboa: Chiado Editora.

52 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O papel da literacia financeira no desenvolvimento infantil

A incorporação de conhecimentos sólidos em Literacia Financeira (LF) é fundamental para o sucesso da Educação e para o exercício pleno da cidadania. Segundo a OCDE (Organização para a Cooperação e Des

“As máscaras que não queremos tirar”

Estamos em época carnavalesca e esta é uma fase em que também os adultos aproveitam para se fantasiar de personagens que gostavam de ter sido ou de figuras que lhes permitam ser quem naturalmente não

bottom of page