top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

O regresso às rotinas

As férias estão a terminar e o regresso à escola e ao trabalho está a chegar.


Regressar às rotinas, acordar cedo, cumprir horários, andar acelerado, é uma realidade pela qual quase todos passam e nem todos anseiam.


É notado que em cada 10 pessoas, quase metade apresenta sintomas depressivos pós-férias. Nos adultos as dores musculares e de cabeça, a fadiga e as alterações do sono e nas crianças, os pesadelos, as “dores de barriga” e a febre são sinais de alerta, reflexo da resistência nesse regresso às rotinas.


Num mundo tão agitado como o atual, para sobreviver, é importante o cérebro escolher o seu foco. O segredo para iniciar e terminar uma tarefa é, por entre a multiplicidade de distrações e estímulos existentes, focar-se nessa tarefa – atenção seletiva.

A atenção seletiva depende de vários fatores, destacando-se o humor. Por exemplo, quando nos sentimos tristes, inconscientemente a atenção é focada em coisas tristes e negativas.


Chegados de férias e sem vontade para regressar à rotina é natural que o foco seja colocado em pormenores, de acordo com o estado emocional dominante. Aí aparecem sinais depressivos que alimentam um conjunto de pensamentos negativos que, por sua vez, agudizam o estado emocional depressivo.


Desta forma, cabe a cada um focar-se em coisas positivas, boas memórias, e realizar atividades habitualmente prazerosas, com crianças e com adultos, criando pensamentos positivos e sendo responsável pelo próprio bem-estar emocional.

Votos de bom regresso!


46 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Preparar as crianças para a chegada de Natal

A época que antecede o Natal, conhecida pela religião católica como o Advento, é também uma oportunidade para todos prepararem a chegada de um momento tão especial! Particularmente para as crianças, o

Uma escola que respeita as crianças

A Saúde Mental é um tema que tem sido abordado transversalmente nos vários contextos humanos, talvez porque a sua fragilidade também seja cada vez mais notada nesses contextos. Particularmente com os

Qualificar o tempo

Com a azáfama do dia a dia, o tempo torna-se um valor escasso. E esta escassez é sentida no cuidado próprio e no cuidado com os outros. Especificamente com os pais, mesmo cumprindo o “transporte” dos

bottom of page