top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Quando os pais hiperprotegem os filhos

O nascimento de um filho representa o desejo de o fazer feliz, tranquilo e distante de todos os perigos. Os pais temem pela sua felicidade e a vontade de sentir as dores pelos filhos é inigualável. A ânsia de proteger o filho é tão grande que se corre o risco de o hiperproteger, contaminando todo o seu desenvolvimento e bem-estar.


Segundo as terapeutas Cátia Lopo e Sara Almeida, a hiperprotecção dos filhos, gera nos próprios, os seguintes constrangimentos:


1. Dificuldades no desenvolvimento da própria autonomia, nas suas demandas quotidianas (sociais, pessoais e escolares), bloqueando quando algo inesperado acontece.


2. Dificuldades em gerir a frustração, uma vez que as necessidades destas crianças são permanentemente satisfeitas, não sentindo que têm que conquistar algo.


3. Insegurança, por sentirem que não conseguem fazer nada sozinhas. Este sentimento agudiza o medo de falhar e diminui a vontade de arriscar.


Todas as crianças precisam que os pais cuidem delas, protejam e garantam o seu bem-estar e segurança. Contudo, um dos maiores desafios dos pais, na educação e no desenvolvimento das crianças, é:


- Serem capazes de, progressivamente, darem espaço à criança, reduzindo os seus níveis de proteção;

- Permitirem que a criança experimente vários papéis;

- Permitir que a criança erre e vivencie sentimentos de frustração.


Desta forma, a criança vai desenvolvendo estratégias para lidar com a frustração, o que contribui para a sua evolução emocional e o seu desenvolvimento salutar.


67 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Crianças desafiantes, pais inquietos: o que fazer?

Lidar com crianças desafiantes pode ser uma tarefa difícil e exaustiva para os pais.  Estes enfrentam uma multiplicidade emocional perante os desafios associados, sentindo-se física e emocionalmente d

Como pode a escola formar alunos felizes?

A escola desempenha um papel crucial na formação de alunos felizes, não apenas fornecendo conhecimento académico, mas também promovendo competências sociais, emocionais e pessoais. Várias são as estra

Comments


bottom of page