top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Vamo-nos separar: e agora os nossos filhos?

Nos últimos anos, é cada vez maior o número de famílias que passa por uma reestruturação, designada “separação” ou “divórcio”. Esta situação representa um desafio impactante na vida dos adultos e das crianças, que a sentem de forma distinta.

Infelizmente não são pontuais os conflitos entre os adultos, a disputa ou o afastamento dos filhos, provocando momentos de mal-estar nestes, na família alargada e nos amigos.


O objetivo central da separação deveria ser instaurar a paz e cessar os conflitos entre o casal, mas nalguns casos (mais do que o expectável) os conflitos permanecem e agudizam-se, continuando a gerar mal-estar nos seus descendentes diretos: os filhos.

A “boa notícia” é os adultos estão cada vez mais preocupados com o impacto da separação na vida dos filhos e tentam minimizar as consequências na sua vida, abordando o assunto com eles, priorizando os laços de afeto e minimizando os conflitos manifestos.


A investigação refere que os filhos com pais divorciados tendem a correr maior risco no desenvolvimento de problemas psicológicos, comportamentais, escolares e sociais. A criança vivencia inúmeras mudanças, tais como o reajuste do tempo passado com as figuras parentais, o ajustamento psicológico e emocional a uma nova estrutura familiar, a capacidade dos cuidados parentais após a separação, o nível do conflito nesta nova fase, as eventuais consequentes dificuldades socioeconómicas, entre outras.


De forma a minimizar o impacto negativo da separação na vida dos filhos, a Psicóloga Maria João Matos, apresenta algumas sugestões aos pais:


- No momento de comunicar a decisão da separação aos filhos, os pais devem adequar o discurso à idade deles e ambos devem estar presentes e não entrar em discórdia, priorizando o bem-estar dos mesmos;

- Assegurar aos filhos que a separação em nada vai alterar a relação que têm com eles e vão continuar presentes nas suas vidas;

- Respeitar o tempo dos filhos para perceberem e integrarem esta nova situação nas suas vidas. A vivência de uma separação gera estados emocionais semelhantes ao do luto e essas fases devem ser respeitadas e compreendidas;

- Próximo de se concretizar, explicar aos filhos como irá ser a sua nova rotina (onde vão residir, com quem e com que periodicidade);

- Criar um ambiente de liberdade no qual os filhos possam exprimir as suas emoções e inquietações, os seus receios, e demonstrando empatia por eles, comunicando-lhes a sua compreensão pelo que está a sentir;

- Se acontecer, desconstruir a culpabilização dos filhos relativamente à separação dos pais, assegurando que se trata de uma decisão do casal e que os filhos não têm qualquer responsabilidade na decisão tomada. Reiterar, também a continuidade do papel de pais, na vida das crianças e do amor que sentem por elas;

- Proporcionar um ambiente de respeito, evitando que os filhos criem uma visão negativa sobre a outra figura parental;

- NÃO pedir aos filhos que tomem partido de um dos pais. É fundamental que os filhos sintam que podem contar com ambos, mesmo que separados;

- Evitar a competição com o outro progenitor, agindo de forma apropriada, sem recurso a presentes;

- Manter as rotinas e as regras dos filhos o mais possível;

- Permitir o contacto o mais frequente possível com a outra figura parental, sobretudo quando os filhos pedem, para além do cumprimento do regulamento parental;

- Informar os professores, treinadores e outros adultos de referência para os filhos sobre a situação da separação, para estarem atentos a mudanças de comportamento e, se necessário, fazer uma intervenção apropriada;

- Solicitar apoio psicoterapêutico para ajudar os filhos a lidar com esta situação adversa.


A separação parental é um processo longo e doloroso, envolvendo mudanças bruscas, sobretudo para os filhos, por isso o respeito pelos seus sentimentos e pelo tempo necessário para integrarem esta nova fase é crucial para o seu reajuste emocional.


71 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como atuar quando as crianças têm pesadelos frequentes?

Como foi referido num artigo anterior, os pesadelos recorrentes em crianças podem ser causados por uma variedade de fatores, perante os quais é necessário atuar com sensibilidade e cuidado, de forma a

Comentarios


bottom of page