• Alexandra Gomes

A Empatia no desenvolvimento da Inteligência Emocional

A empatia é uma competência humana que integra o desenvolvimento da Inteligência Emocional. Segundo Adriana Vieira (2013), ser empático significa “ser capaz de identificar e compreender as emoções e os sentimentos do outro” (p.31), como se estivesse a vivenciar a mesma situação.


A empatia é a capacidade de ver o mundo pelos olhos do outro é considerar a existência de outras possibilidades para além do nosso ponto de vista e aceitar como sendo uma forma adequada de o fazer.


Neurologicamente, esta competência é intrínseca ao ser humano, uma vez que à medida que se vai conhecendo uma pessoa, naturalmente vai sendo possível compreender o que sente essa pessoa e porquê.


Ser empático não significa aceitar os sentimentos e os pensamentos do outro, mas percebê-los e acolher que há diferentes formas de sentir e pensar o que nos rodeia.


Sendo uma competência da Inteligência Emocional, ao sermos empáticos desenvolvemos a autoconfiança – reforço da Inteligência Intrapessoal – e consequentemente permitimos a criação de laços fortes no relacionamento com o outro – Inteligência intrapessoal.


Como refere Carl Gustav Jung, “Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas quando tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana”.

76 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A importância do brincar no desenvolvimento infantil

As brincadeiras têm um papel muito importante na vida das crianças, pois, entre vários motivos, contribuem para a promoção do seu desenvolvimento psicoemocioal. Por isso, é muito importante que todas

Uma emoção em crise: Amor-Próprio

O Amor-Próprio significa ter estima e confiança por si próprio e é fundamental para criar uma relação saudável com o próprio e com o outro. Quando se sente esta emoção, tão presente na própria vida, s

Gostar de estudar…. Acessível a todos

Embora “estudar” seja um conceito muito vago e, várias vezes, de difícil “digestão”, a realidade é que, por algum momento, qualquer um gostou (ou gosta) de estudar. Há sempre algo que suscita interess