• Alexandra Gomes

A importância do brincar no desenvolvimento infantil

As brincadeiras têm um papel muito importante na vida das crianças, pois, entre vários motivos, contribuem para a promoção do seu desenvolvimento psicoemocioal. Por isso, é muito importante que todas as crianças tenham tempo para brincar diariamente.


Durante a infância é natural e expectável a vontade em brincar e jogar. Através da brincadeira, a criança explora o mundo, organiza a sua função, é estimulada a sua autonomia e promovidas as relações sociais. Além disso, a forma como as crianças brincam é um bom indicador sobre o seu estado psicoemociomal.

Segundo a Psicóloga Cinthia Condéi, existem diferentes tipos de brincadeiras, cada uma com a sua importância. Existem as “brincadeiras culturais” – mostram as suas raízes regionais – as “brincadeiras tradicionais” – passam de geração em geração – e as “brincadeiras tecnológicas” – muito comuns hoje em dia.

Independentemente do tipo de brincadeiras, a capacidade da criança em criar brincadeiras depende da sua idade. Dada a sua criatividade, as brincadeiras estão sempre a mudar e o seu gosto varia de criança para criança. No entanto, cada brincadeira na sua especificidade, tem uma função característica. Assim:

  • Dançar, correr e brincar com a bola – ajuda no desenvolvimento motor e na força e flexibilidade corporais;

  • Construção com blocos e quebra-cabeças – permite desenvolver a noção de formas e lógica;

  • Desenhos e pinturas – estimula a criatividade e a expressão emocional;

  • Cantar e brincar com instrumentos musicais – estimula o desenvolvimento cognitivo, a audição, a fala, entre outras competências;

  • Brincadeiras com a areia e a água – ajuda a iniciar o conhecimento de ciência e matemática.

As brincadeiras que as crianças escolhem vão-se modificando com o tempo. Por isso, é muito comum que a criança se desinteresse pelas antigas e comece a explorar novas formas de brincar. Na eventualidade da criança não demonstrar interesse em nenhuma brincadeira, é importante que os pais procurem aconselhamento psicológico, pois esta fase, como foi referido no início do artigo, é muito importante para o seu desenvolvimento e um reflexo do mesmo.

59 visualizações1 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A ansiedade é um estado de preocupação intenso e duradouro com algo que possa vir a acontecer. No final do ano letivo, a preocupação, transversal à maioria dos alunos, é o seu desempenho académico nos

A felicidade não é perene. Este é um facto. Por mais otimista que se queira ser, há alturas em que emoções como o medo, a tristeza, o desejo ou a angústia surgem na vida do ser humano. Estas emoções a

No final do ano letivo muitas emoções afloram nas turmas, especialmente naquelas que estão em fase de transição para um novo Ciclo Escolar. Seja do pré-escolar para o 1º Ciclo, deste para o 2º Ciclo,