• Alexandra Gomes

Aceitar as emoções

Quantas expressões cercam a criança, o jovem, o adulto, numa tentativa de reprimir as suas emoções mais dolorosas?

“Os soldados não choram…”


“Quero dizer-lhe o quanto a amo, mas não o faço…”


“Não chores…”


“Rapazes não choram…”


“Expressares prazer em relação aos réus feitos é a manifestação de um orgulho inconveniente…”


Um sem número de expressões que, desde os primeiros anos de vida ensinam as crianças a suprimir as próprias emoções, para esconder a dor. Desta forma são criados os perfecionistas que rejeitam todos os desvios emocionais, perspetivam a vida como uma euforia constante e rejeitam as emoções dolorosas. Estes aprendem a esconder e suprimir as emoções e os sentimentos agradáveis ou dolorosos e é difícil desconstruir as crenças matriz e por isso abrir-se às correntes das emoções.

No entanto, segundo Golda Meir” aqueles que não sabem chorar com todo o coração também não sabem rir. Assim, é importante sentir e expressar as próprias emoções, chorar quando precisa, partilhar os sentimentos com os amigos ou até escrever sobre os sentimentos no seu diário.


Negar-se a sentir as emoções indesejadas é prejudicial para o próprio bem-estar, danifica a autoestima e agrava sintomas depressivos. Assim, há que aceitar e expressar as emoções negativas.


Ao aceitar as próprias emoções como são e estar verdadeiramente disposto a viver com elas significa aceitar as emoções dolorosas mesmo quando elas persistem para lá da própria vontade. A aceitação genuína tem a ver com o aceitar que se está perturbado e a seguir aceitar que isso não significa que se sinta melhor mas que a emoção também passa e acolhendo esta emoção, dissemina-a e dá lugar a uma nova emoção positiva.

46 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Mudar é possível: quais os passos seguintes?

Para uma mudança pessoal de sucesso, não basta uma intenção ou deixar de lutar contra si próprio. Claro que, como foi referido no artigo anterior, antes de qualquer mudança, é necessário que sejam dad