• Alexandra Gomes

Ajudar as crianças a lidar com a perda

Tal como os adultos, e sendo inerente a todos os seres vivos, a “perda”, de algo ou alguém importante, é inevitável.


Dependendo da dimensão da perda, construir algo depois do fim, parece ser uma tarefa desafiante e cada um tem de a realizar por si próprio. Porém, cabe aos adultos ajudar as crianças a lidar com a perda.


Antes de mais, é importante que estes se abstenham de tentar proteger as crianças do sentimento de perda pois, mais cedo ou mais tarde, essa dor acabará por chegar. Por isso, é essencial para as crianças irem assumindo e integrando pequenas perdas, tais como emprestar o seu brinquedo preferido, não ir a uma festa de aniversário de um amigo porque ficou doente ou mudar de casa onde sempre viveu.


Independentemente da perda, o significado subjacente é o de que algo se tornou ausente. Nestes momentos, os adultos devem mostrar às crianças que tudo na natureza tem os seus ciclos e a perda não significa ausência, mas transformação, metaforizando, por exemplo, com o ciclo de vida da borboleta.


A tristeza é a expressão emocional da dor da perda pois sente-se que, algo que fazia parte da vida foi-lhe retirado, ativando um sentimento de vazio. Nestas situações, é importante que, sobretudo os pais, não se deixem assustar pela tristeza dos filhos. Aqui, os adultos devem ter a capacidade de acolher a tristeza da criança e empatizar com ela, para que esta possa aceitar a realidade da perda e encontrar o seu próprio caminho.


Tolerar a tristeza não significa alimentá-la, mas dar-lhe espaço para de expressar, optando por afirmar que vê que a criança está triste, que é normal e que não vai ser sempre assim. Estes momentos são também boas oportunidades para o adulto recordar coisas boas que aconteceram com as crianças, depois delas perderem algo ou alguém importante para si. Coisas boas continuam a acontecer, desde que não se fechem à vida e se permitam surpreender.


A criança deve ser, desde cedo, encorajada a partilhar a sua dor e não a guardar dentro de si, exprimindo a dor através do choro, de desenhos, de construções…


Outra forma de ajudar a criança na sua perda é fazer algum tipo de ritual para a ajudar a processar e aceitar a nova realidade (por exemplo quando morre um animal de estimação).


O que se perde não desaparece, faz parte da vida e de quem se é. Ao adulto cabe, “apenas” manter-se atento e presente, sobretudo quando a perda é partilhada com a criança (na perda de um avô, da mãe ou do pai).


Fonte: Como ajudar as crianças a lidar com a perda | Revista Dois Pontos

21 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Os castigos ainda existem na conduta parental portuguesa e nalguns contextos escolares (tal como tempos reduzidos de intervalo, a escrita repetida de frases do que não deve fazer, os trabalhos de casa

“Ao final do dia, uma boa família deveria fazer com que tudo fosse inesquecível.” (Mark V. Olsen) Educar é uma tarefa diária desafiante. Se não for realizada de forma adequada, a educação pode “desedu

O sentimento de vazio, sem rumo, de apatia, com uma profunda falta de vontade para fazer ou ser o que quer que seja, sobretudo nos últimos tempos, é um estado frequente por entre os adultos. Esta é um