top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Alunos felizes, jovens de sucesso!


O discurso dos alunos, atualmente, reflete insatisfação, evasão escolar, desmotivação académica e procrastinação.


A Educação está fragilizada. As greves sucessivas, a burocracia na educação, a insatisfação docente e a mudança de referências pedagógicas, muito contribuem para o enfraquecimento da Educação. Assim, é urgente desenvolver e implementar estratégias que motivem e melhorem a experiência dos alunos. Contar com alunos satisfeitos é fundamental para diminuir as taxas de evasão e aumentar a sua motivação no contexto escolar.


Com o passar do tempo, os alunos desenvolvem relacionamentos com a escola, os colegas/amigos, os professores, as plataformas e os demais elementos que constituem o processo de ensino-aprendizagem.


Tudo isso resulta numa experiência que condiciona o seu bem-estar, a sua dedicação escolar e a sua experiência enquanto aluno.


A melhoria da experiência escolar pode passar por vários pontos, todos eles permeados pela responsabilidade compartilhada entre professores, diretores, auxiliares e técnicos da entidade escolar.


1. Infraestruturas escolares. É importante que o espaço-escola, mesmo sob todos os parâmetros formais de arquitetura, seja um espaço acolhedor para o aluno e todos os que a escola frequentam. Esta deve ser pensada e ajustada para passar a mensagem que deseja aos alunos. Trata-se de uma tarefa desafiante, mas possível de ser executada, com a sua singularidade.


2. Acessibilidade. A acessibilidade não é uma exigência “apenas” para pessoas com constrangimentos físicos. A disponibilização de uma estrutura que contemple as necessidades de todos é muito importante para clarificar o acesso positivo ao sistema de educação.


3. Learning Space. Os Learning Space, ou Espaços de Aprendizagem são ambientes de formação, reais ou virtuais, com recursos para estimular o desenvolvimento dos estudantes, estimulando-os na criação de projetos e resolução de problemas.


4. Espaço seguro. Os alunos devem sentir segurança na escola, para que este seja um espaço seguro de desenvolvimento e formação. Para isso, é importante investir no aumento do número de auxiliares no espaço escola – sobretudo nos tempos inter letivos – no aumento da monitorização e do controlo da entrada e saída de alunos, na existência de uma estrutura de gestão de conflitos, da criação de uma linha de atendimento telefónico gratuita, garantindo o anonimato dos alunos que solicitam ajuda, entre outras medidas.


5. Conteúdos ensinados. Seja na modalidade presencial, e-learning ou blended learning, os conteúdos ensinados devem ir ao encontro dos interesses gerais dos alunos e dos seus objetivos académicos. A qualidade dos conteúdos influencia diretamente a experiência do aluno e a qualidade do seu processo de ensino e aprendizagem. Para melhorar a atratividade dos conteúdos transmitidos, seguem algumas dicas.

a. Utilizar conteúdos multimédia: vídeos, Quizzes, jogos multimédia.


b. Investir na formação específica de professores sob formas originais de ensinar e ativar o processo de aprendizagem do aluno, garantindo a qualidade do ensino. Garantir um ensino mais personalizado, adotar estratégias para que o aluno seja protagonista na construção do seu conhecimento e pensar em formas de tornar a aprendizagem mais dinâmica são premissas para estimular o processo de aprendizagem do aluno de forma motivada e responsável.


c. Receção aos alunos. Todos os elementos da escola (técnicos, auxiliares e docentes) são responsáveis pela criação de uma imagem positiva no acolhimento aos alunos. Este precisa de ser humanizado, individualizado, gentil e capaz de solucionar ou encontrar respostas para que o aluno se sinta amparado.


d. Material de ensino. A utilização de material de ensino inovador gera no aluno a sensação de estar a ser plenamente atendido nas suas necessidades de formação e entre numa lógica de melhoria contínua perante a escola, o que beneficia o seu processo de aprendizagem.

Considerar estas possibilidades no próximo ano letivo é permitir que o aluno se sinta motivado a repensar o seu processo de aprendizagem, o seu papel enquanto aluno e a melhorar a sua experiência escolar.


30 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O risco social do défice de comprometimento humano

Quando se fala em “défice de comprometimento humano” entende-se, de forma mais ampla, como a forma de relacionamento enfraquecida entre as pessoas em diversos contextos sociais, profissionais e ambien

Quando as crianças exigem demais delas próprias

“Perfecionismo”: característica humana, segundo a qual são estabelecidos altos padrões de desempenho, acompanhados por avaliações muito críticas e pela intransigência perante falhas ou erros; elevado

Ensinar a bondade às crianças em tempos de guerra

Em pleno século XXI, vários são os conflitos e as guerras geradores de ainda mais medo e agressividade entre nós. Estes, não se cingem aos armados, mas também aos de valores, como uma característica s

Kommentarer


bottom of page