• Alexandra Gomes

As crianças e tolerância à frustração: como ensinar a fazê-lo

Cada vez mais, os pais recorrem ao Aconselhamento Psicológico com uma inquietação que os desestabiliza e antecipa algum sofrimento: a incapacidade das suas crianças lidarem com a frustração.


Hoje, os pais, pelo cansaço associado ao quotidiano “hiperativo” que vivem, pela tentativa de compensar a sua eventual ausência e, porque o que mais querem é que estes sejam felizes, minimizam experiências que lhes provoquem frustração, expressa em birras, amuos ou chantagens emocionais.


Pois bem, a verdade é que ensinar as crianças a “lidar com a frustração”, perante uma contradição, uma derrota ou um imprevisto, é uma das melhores ferramentas de aprendizagem que os pais lhes podem transmitir. Estas ferramentas preparam as crianças já para a adolescência, para o contexto académico, para a sua dimensão profissional e para as relações interpessoais que criarão.


Tudo começa com a aprendizagem das crianças em desenvolver as principais capacidades da Inteligência Emocional, segundo os precursores da Inteligência Emocional, John Mayer e Peter Salovey. Estas são as capacidades em:


  • Perceber e expressar as próprias emoções e as dos outros;

  • Usar as emoções de forma que facilite o pensamento;

  • Entender as emoções, a linguagem emocional e os sinais emocionais;

  • Regular as emoções, a fim de alcançar os seus objetivos.

Assim, é essencial, desde cedo, as crianças aprenderem a desenvolver estas habilidades emocionais. Desta forma são mais capazes de reconhecer as suas vivencias, aceitar as suas emoções e tolerar as suas frustrações.


Mas, atenção! “Tolerar as frustrações” não é sinónimo de aceitar tudo o que acontece, sem se mobilizar para a mudança ou não ter a “garra” de lutar pelo que se quer.

Ao ser capaz de tolerar a frustração, a criança é capaz de:

  • Aceitar que não é sempre a melhor ou a vencedora e isso não significa que seja incapaz ou incompetente;

  • Gerir as suas emoções, de modo a integrar a derrota ou o imprevisto. Dar significado ao que sente, para não se dar a “quebra” emocional;

  • (Sentidas as primeiras sensações emocionais) Ser capaz de perceber o que falhou e mobilizar-se para, numa próxima oportunidade, sentir-se capaz de sair vencedora ou ter um melhor desempenho.


Com estas ferramentas e a aplicação parental de uma linguagem emocional adequada às crianças, estas tornam-se verdadeiramente felizes e cada vez mais capazes de alcançar os objetivos que surgem ao longo da sua vida!

281 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A ansiedade é um estado de preocupação intenso e duradouro com algo que possa vir a acontecer. No final do ano letivo, a preocupação, transversal à maioria dos alunos, é o seu desempenho académico nos

A felicidade não é perene. Este é um facto. Por mais otimista que se queira ser, há alturas em que emoções como o medo, a tristeza, o desejo ou a angústia surgem na vida do ser humano. Estas emoções a

No final do ano letivo muitas emoções afloram nas turmas, especialmente naquelas que estão em fase de transição para um novo Ciclo Escolar. Seja do pré-escolar para o 1º Ciclo, deste para o 2º Ciclo,