• Alexandra Gomes

As crianças e tolerância à frustração: como ensinar a fazê-lo

Cada vez mais, os pais recorrem ao Aconselhamento Psicológico com uma inquietação que os desestabiliza e antecipa algum sofrimento: a incapacidade das suas crianças lidarem com a frustração.


Hoje, os pais, pelo cansaço associado ao quotidiano “hiperativo” que vivem, pela tentativa de compensar a sua eventual ausência e, porque o que mais querem é que estes sejam felizes, minimizam experiências que lhes provoquem frustração, expressa em birras, amuos ou chantagens emocionais.


Pois bem, a verdade é que ensinar as crianças a “lidar com a frustração”, perante uma contradição, uma derrota ou um imprevisto, é uma das melhores ferramentas de aprendizagem que os pais lhes podem transmitir. Estas ferramentas preparam as crianças já para a adolescência, para o contexto académico, para a sua dimensão profissional e para as relações interpessoais que criarão.


Tudo começa com a aprendizagem das crianças em desenvolver as principais capacidades da Inteligência Emocional, segundo os precursores da Inteligência Emocional, John Mayer e Peter Salovey. Estas são as capacidades em:


  • Perceber e expressar as próprias emoções e as dos outros;

  • Usar as emoções de forma que facilite o pensamento;

  • Entender as emoções, a linguagem emocional e os sinais emocionais;

  • Regular as emoções, a fim de alcançar os seus objetivos.

Assim, é essencial, desde cedo, as crianças aprenderem a desenvolver estas habilidades emocionais. Desta forma são mais capazes de reconhecer as suas vivencias, aceitar as suas emoções e tolerar as suas frustrações.


Mas, atenção! “Tolerar as frustrações” não é sinónimo de aceitar tudo o que acontece, sem se mobilizar para a mudança ou não ter a “garra” de lutar pelo que se quer.

Ao ser capaz de tolerar a frustração, a criança é capaz de:

  • Aceitar que não é sempre a melhor ou a vencedora e isso não significa que seja incapaz ou incompetente;

  • Gerir as suas emoções, de modo a integrar a derrota ou o imprevisto. Dar significado ao que sente, para não se dar a “quebra” emocional;

  • (Sentidas as primeiras sensações emocionais) Ser capaz de perceber o que falhou e mobilizar-se para, numa próxima oportunidade, sentir-se capaz de sair vencedora ou ter um melhor desempenho.


Com estas ferramentas e a aplicação parental de uma linguagem emocional adequada às crianças, estas tornam-se verdadeiramente felizes e cada vez mais capazes de alcançar os objetivos que surgem ao longo da sua vida!

66 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Aceitar as emoções

Quantas expressões cercam a criança, o jovem, o adulto, numa tentativa de reprimir as suas emoções mais dolorosas? “Os soldados não choram…” “Quero dizer-lhe o quanto a amo, mas não o faço…” “Não chor

Mudar é possível: quais os passos seguintes?

Para uma mudança pessoal de sucesso, não basta uma intenção ou deixar de lutar contra si próprio. Claro que, como foi referido no artigo anterior, antes de qualquer mudança, é necessário que sejam dad