top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Como conversar com o adolescente?


Nem sempre é fácil criar e manter uma comunicação fluída e eficaz com os adolescentes e são frequentes as queixas dos pais sobre o discurso do filho para com eles, ser do tipo monossilábico e de frases curtas, gerando frustração e desespero.


A adolescência é uma fase de vida caracterizada por mudanças biopsicoemocionais que devem ser respeitadas, dando espaço ao filho para desenvolver a sua identidade. Contudo há várias estratégias que os pais podem adotar para desenvolver conversas com mais de duas palavras e criar uma comunicação fluída e eficaz.


Antes de mais, é importante compreender que o discurso monossilábico e rarefeito dos adolescentes é relativamente normal e frequente. Por outro lado, a adolescência passa por uma série de mudanças neurológicas e fisiológicas que levam este a procurar momentos pessoais introspetivos e “solitários”. Além disso, por serem fases de vida distintas entre si, os pais costumam ter algumas dificuldades em compreender o que se passa com os filhos e, por isso, esta incompreensão gera também frustração.


Então, o que devem, ou não devem, fazer os pais para melhorar a comunicação com o adolescente, desenvolvendo um diálogo mais fluído?


1. Ser empáticos com as mudanças vivenciadas pelo adolescente, tão importantes para a construção da sua identidade, e respeitar o tempo de intimidade e solidão desejados pelo filho.

2. Não comparar o filho com outros adolescentes, amigos ou irmãos ou até consigo próprio quando era pequeno.

3. Aguardar pelo momento adequado para falar, por momentos mais oportunos, considerando o seu estado emocional nessa altura, transmitindo a sua disponibilidade para escutar e falar quando o quiserem.

4. Iniciar o diálogo. Para potenciar a confiança dos filhos e conseguir que, com maior facilidade conversem consigo, os pais devem começar por partilhar o seu dia, como se sentiram e o que os inquieta, ajustando, claro as inquietações e sobressaltos do dia à maturidade dos filhos.

5. Optar por perguntas abertas, possibilitando ao adolescente partilhar mais informação, confiar e estender a sua resposta.

6. Recorrer ao humor para iniciar um diálogo, eliminando/minimizando as barreiras comunicativas e recuperando a conexão com os seus filhos.

7. Escutar quando o filho fala, adotando um comportamento que manifeste interesse no que está a ser comunicado: olhar para ele enquanto fala, evitar distrações, cortes e interrupções, assentir com a cabeça enquanto o filho comunica, colocar a mão no ombro, etc..

8. Não criticar ou julgar o discurso do filho. Evitar frases autoritárias na comunicação, comparações ou juízos de valor.


Em suma, os pais de adolescentes devem encontrar o equilíbrio entre o respeito das suas necessidades, tempo e intimidade e a construção de uma base sólida que ajude a aumentar a confiança e uma comunicação autêntica e sincera.

33 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como atuar quando as crianças têm pesadelos frequentes?

Como foi referido num artigo anterior, os pesadelos recorrentes em crianças podem ser causados por uma variedade de fatores, perante os quais é necessário atuar com sensibilidade e cuidado, de forma a

Comments


bottom of page