• Alexandra Gomes

Como lidar com os gritos das birras infantis

As birras. Uma manifestação frequente da raiva, com períodos de maior ou menor probabilidade de acontecer.


Derivado da (ainda) incapacidade das crianças controlarem os seus impulsos e regularem as próprias emoções, cabe aos pais/educadores auxiliarem e implementarem estratégias que contribuem para a promoção da sua maturidade emocional.

Uma das estratégias é aceitar a criança tal como ela é e entender que naquele momento está a lidar com emoções, as quais não consegue gerir, e que a deixam desalinhada e descontrolada. Esta aceitação passa por evitar gritar, insultar, ameaçar ou castigar a criança.


Na eventualidade de serem definidas consequências/castigos para a criança, em virtude da birra manifestada, os pais devem manter-se firmes e não ceder. A criança precisa de perceber firmeza na parentalidade, sem a manifestação de agressividade ou desestabilização.


Por sua vez, os pais devem transmitir à criança que os gritos e o choro não permitem que eles compreendam o que a criança está a dizer e por isso vão esperar que ela se acalme para poderem conversar. Esta mensagem deve ser transmitida de forma assertiva, sem um discurso alongado pois, ao continuar a falar alimentam o prosseguimento e a intensidade do momento.

Durante a birra, os adultos devem ficar com a criança, embora não devam interagir com ela até que esteja mais calma. Desta forma, demonstram compreensão pelo seu estado de ânimo.


Assim que a criança estiver mais calma é o momento para conversarem sobre o sucedido. Esta é uma boa oportunidade para os pais comunicaram o que sentiram durante a birra da criança e permitirem que esta exponha, também, o seu sentimento dominante durante essa altura.


No momento do diálogo pode ser necessário que os pais transmitam à criança que a sua birra tem consequências. Mas atenção! Estas devem ser lógicas, associadas ao acontecimento e num período temporal próximo relativamente à birra.

Deste modo, gradualmente os pais ajudam a criança a encontrar outras formas de manifestar o seu mal-estar. A sua não cedência no momento da birra é muito importante para que a criança aprenda que é capaz de, gradualmente, gerir as próprias birras. Para além disso, os pais devem valorizar os momentos em que os filhos conseguem regular as próprias birras e acalmarem a sua manifestação!

59 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

“Trata o outro como gostarias que te tratasse a ti”. Este é um princípio humano fundamental na conduta empática e assertiva. Deste princípio advém uma outra premissa, igualmente importante, para a for

Acontecimentos intensos como um dia de aulas mais difícil, um professor menos tolerante, refeições tomadas apressadamente, aquele colega que escolhe “o melhor” momento para aborrecer, as disciplinas m

A realidade, sobretudo desde os últimos dois anos, reflete uma situação além do expectável pela humanidade, o que a faz sentir-se sem recursos para gerir as situações de forma equilibrada e é geradora