• Alexandra Gomes

Como (não) comunicar com os alunos

Falar ou mimetizar pode até ser fácil, mas comunicar é um desafio, chegando mesmo a ser uma Arte!

Segundo Alfredo Leite (2022), as palavras “começam guerras e amores, elas terminam conflitos e aproximam as pessoas”. Nem sempre o que queremos dizer é expresso por nós, caindo, por isso, na falácia da contradição. E assim chega-nos um “há formas de o dizer” e arrependemo-nos das palavras que usamos. Porque na comunicação não hã só um emissor, mas também um recetor com a sua própria interpretação.


Nas salas de aula, a incoerência comunicacional é evidente e geradora de mal-estares com sequelas que ficam a vida toda, sobretudo no estado emocional dos alunos, na sua autoestima.


São várias (e tão frequentes) frases que, de inocentes “piquinhos” passam a ervas daninhas no bem-estar dos alunos. Por exemplo, asserções tão reais e presentes nas escolas de hoje, como:


1. Questionar a turma sobre a possibilidade de ser uma “turma de bebés”;

2. Reduzir a nada, através da pergunta, “Qual é a parte do “calados” que não entenderam?”;

3. Ou “eu sou mal paga para o trabalho que tenho convosco”;

4. Culpar desmesuradamente com as frases “Estás a estragar a aula aos teus colegas!”;

5. Esperar o mínimo com um “És sempre a mesma coisa!” ou “Tu nunca irás mudar!”;



Podem até ser proferidas com o patrocínio do cansaço e da saturação docente, pela pressão a que está sujeito, mas cujo impacto nos alunos não é disseminado com um analgésico ou ansiolítico.


Mais do que arranjar culpados, importa encerrar o ciclo do mal-estar e do fel comunicacional e olhar para estas frases com uma perspetiva positiva, a fim de evitá-las e substituí-las por outras. E esta “substituição” torna-se mais fácil quanto mais genuína e menos castrante for com o próprio docente, para o seu diálogo interno. Afinal amor gera amor, paz gera paz, positivo gera positivo…

A reflexão sobre estas feridas comunicacionais significa o primeiro passo para a substituição por palavras mais positivas, geradoras de um clima de sala de aula pacífico, motivado e, sem dúvida, mais produtivo.


Fonte: 7 pecados comunicacionais em sala de aula (uptokids.pt)

42 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A ansiedade é um estado de preocupação intenso e duradouro com algo que possa vir a acontecer. No final do ano letivo, a preocupação, transversal à maioria dos alunos, é o seu desempenho académico nos

A felicidade não é perene. Este é um facto. Por mais otimista que se queira ser, há alturas em que emoções como o medo, a tristeza, o desejo ou a angústia surgem na vida do ser humano. Estas emoções a

No final do ano letivo muitas emoções afloram nas turmas, especialmente naquelas que estão em fase de transição para um novo Ciclo Escolar. Seja do pré-escolar para o 1º Ciclo, deste para o 2º Ciclo,