• Alexandra Gomes

Como subir os degraus da inteligência (parte II)

Atualizado: Mar 22

Segundo o pedagogo, professor e escritor sobre o desenvolvimento da inteligência dos alunos, Pierluigi Piazzi, é possível aumentar o coeficiente de inteligência de cada um. Para isso, bastam algumas dicas importantes no seu cumprimento. No artigo anterior, foram referidas dicas sobre quando estudar, o tempo despendido e a ferramenta base de estudo.


Neste artigo são apresentadas outras importantes dicas para obter o tão desejado bom desempenho académico!

Assim…


5º Tempo dedicado à leitura dos conteúdos para a posterior escrita


Ao ler de forma corrida, ficando com uma visão global dos conteúdos apreendidos, seguido do registo dos conteúdos importantes, 30 minutos são suficientes. Após os 30 minutos de leitura devem ser feitos 10 minutos de intervalo para depois escrever.


6º Como escolher, numa matéria, os conteúdos importantes


Para escolher os conteúdos importantes, há que assumir uma atitude idêntica à da realização de uma cábula. O que é realmente importante acaba por ser registado.


7º Quando/como fazer resumos dos conteúdos apreendidos


SEMPRE.


RESUMIR não é copiar os conteúdos, mas identificar e ligar as suas palavras-chave. Um bom exemplo é fazer um resumo de uma história infantil, por exemplo, “O Capuchinho vermelho” e reescrever essa história em 20 palavras. Um desafio, não?


8º No período de 4 horas diárias, estudar um ou vários conteúdos?


Variar os conteúdos alternadamente. Cada meia hora de estudo é dedicada a uma disciplina representativa de um tipo de raciocínio. Desta forma, o cérebro vê reduzido o cansaço da monotonia dos conteúdos.


9º Forma de recuperar o estudo, quando no primeiro semestre não foi adotado qualquer método de estudo


Não tentar recuperar o tempo não estudado de uma vez só. Deve começar a estudar corretamente… JÁ. Os conteúdos passados devem ser estudados nos fins-de-semana, não interferindo com os conteúdos estudados durante a semana.


10º E depois da escrita?


Adotar a postura de professor: verbalizar os conteúdos escritos como se estivesse a dar aulas para os colegas.


Ao adotar estas estratégias e, nos tempos livres, estimular o cérebro através dos clássicos jogos de tabuleiro (Xadrez, Damas, Palavras Cruzadas…) e através das ferramentas online (realizar testes não verbais de QI), mais redes neurais são ativadas, mais estimulado é o cérebro e vários degraus de inteligência são escalados.


Referência bibliográfica:


Piazzi, P. (Prof. Pier). (2009). Ensinando a Inteligência. (2ª ed). São Paulo: Editora A

47 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A Infância e a Neuroplasticidade no seu melhor

É nos primeiros anos de vida da criança, que os adultos, entusiasticamente, percecionam a sua velocidade de aprendizagem. Trata-se de Neuroplasticidade! Nos primeiros anos de vida da criança, o seu cé

Autonomia e proatividade no processo de aprendizagem

O processo de ensino aprendizagem tem sido um desafio para os professores. Os alunos estão mais desafiantes, menos resignados, mais inquietos, mais enérgicos e a sua motivação requer maior criatividad