top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Decisão vocacional dos filhos: o grande desafio dos pais

Desde tenra idade é importante que cada um tenha definido o foco na sua vida. Este pressuposto leva os pais a questionarem sobre qual o caminho que os seus filhos devem seguir.


Os pais dão o seu melhor para eles e por eles, querem que tomem as decisões mais acertadas, adotem as melhores atitudes e construam as ferramentas mais eficazes para enfrentar os desafios que vão encontrando na sua vida.


Esta postura assenta em pensamentos cuidados, experiências vividas e emoções sentidas ao longo da vida, o que lhes permite acreditar que estão na posição mais favorável para determinar o que é melhor para os seus filhos. Nalgumas situações, esta atitude resulta, mas noutras os resultados são menos favoráveis e assiste-se a um conflito de ideias, a uma dualidade de linguagens e a uma incompreensão entre pais e filhos.


Se a decisão vocacional dos pais foi feita em conformidade com os seus sentimentos da altura, teve o apoio dos pais e são pessoas felizes e realizadas, é natural que tenham a mesma postura para com os seus filhos. Se, por outro lado, a sua decisão foi condicionada e não teve alternativas, sentindo-se como os que têm a solução para o futuro do filho, correm o risco de entrar em divergência com os objetivos, as expectativas, os gostos e o ponto de vista deles.


O grande desafio para esta divergência passa pela (re)definição de objetivos e pelo desenvolvimento de estratégias eficazes para a obtenção de melhores resultados. Porém, este trata-se de um desafio que traz consigo receio, ansiedade e incertezas.

Independentemente da maior ou menor convergência de pontos de vista entre os pais e os filhos, a insegurança e a ansiedade sentidas é comum a todos os pais.

126 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O papel da literacia financeira no desenvolvimento infantil

A incorporação de conhecimentos sólidos em Literacia Financeira (LF) é fundamental para o sucesso da Educação e para o exercício pleno da cidadania. Segundo a OCDE (Organização para a Cooperação e Des

“As máscaras que não queremos tirar”

Estamos em época carnavalesca e esta é uma fase em que também os adultos aproveitam para se fantasiar de personagens que gostavam de ter sido ou de figuras que lhes permitam ser quem naturalmente não

bottom of page