• Alexandra Gomes

Decisão vocacional dos filhos: o grande desafio dos pais

Desde tenra idade é importante que cada um tenha definido o foco na sua vida. Este pressuposto leva os pais a questionarem sobre qual o caminho que os seus filhos devem seguir.


Os pais dão o seu melhor para eles e por eles, querem que tomem as decisões mais acertadas, adotem as melhores atitudes e construam as ferramentas mais eficazes para enfrentar os desafios que vão encontrando na sua vida.


Esta postura assenta em pensamentos cuidados, experiências vividas e emoções sentidas ao longo da vida, o que lhes permite acreditar que estão na posição mais favorável para determinar o que é melhor para os seus filhos. Nalgumas situações, esta atitude resulta, mas noutras os resultados são menos favoráveis e assiste-se a um conflito de ideias, a uma dualidade de linguagens e a uma incompreensão entre pais e filhos.


Se a decisão vocacional dos pais foi feita em conformidade com os seus sentimentos da altura, teve o apoio dos pais e são pessoas felizes e realizadas, é natural que tenham a mesma postura para com os seus filhos. Se, por outro lado, a sua decisão foi condicionada e não teve alternativas, sentindo-se como os que têm a solução para o futuro do filho, correm o risco de entrar em divergência com os objetivos, as expectativas, os gostos e o ponto de vista deles.


O grande desafio para esta divergência passa pela (re)definição de objetivos e pelo desenvolvimento de estratégias eficazes para a obtenção de melhores resultados. Porém, este trata-se de um desafio que traz consigo receio, ansiedade e incertezas.

Independentemente da maior ou menor convergência de pontos de vista entre os pais e os filhos, a insegurança e a ansiedade sentidas é comum a todos os pais.

125 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O nascimento de um filho representa o desejo de o fazer feliz, tranquilo e distante de todos os perigos. Os pais temem pela sua felicidade e a vontade de sentir as dores pelos filhos é inigualável. A

A ansiedade é um estado de preocupação intenso e duradouro com algo que possa vir a acontecer. No final do ano letivo, a preocupação, transversal à maioria dos alunos, é o seu desempenho académico nos

A felicidade não é perene. Este é um facto. Por mais otimista que se queira ser, há alturas em que emoções como o medo, a tristeza, o desejo ou a angústia surgem na vida do ser humano. Estas emoções a