top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

Educar na Liberdade: Um Ato de Amor

Em tempos de celebração dos 48 anos pela conquista da Liberdade, a consciência da importância deste Direito, dos Direitos humanos e individuais, faz parte da responsabilidade dos pais e dos cidadãos, garantindo que estes não serão retirados às crianças.


Educar na Liberdade é tão desafiante como necessário para o desenvolvimento sadio e equilibrado de uma criança. O difícil é encontrar esse ponto de equilíbrio. Por um lado, pais ávidos de liberdade acabam por não conseguir colocar limites aos filhos; por outro lado, há os pais que, guiados pelo medo, limitam a liberdade dos filhos, impondo-lhes vontades alheias.


Segundo o Professor e Assessor Educativo e Familiar, Luís Pereirinha, o ponto de equilíbrio, quando os pais preparam as crianças para a liberdade, é alcançado quando estes permitem que as crianças alcancem a sua máxima grandeza, traduzida na liberdade de escolha, assente em critérios orientados para o bem. Esta conquista requer esforço pessoal e investimento educativo dos pais/educadores. Desta forma, as crianças aprendem a usar adequadamente a sua liberdade, com benefícios positivos para si e para os outros, superando as resistência e oposição negativas.


No entanto, como desde cedo os filhos testam os limites dos pais, desde cedo, os pais devem educar os filhos, adequando as estratégias utilizadas à fase de desenvolvimento de cada um, para que estes compreendam o porquê das suas escolhas e tomadas de decisão, bem como das suas consequências. Daí ser fundamental que os pais coloquem regras e limites bem claros às suas crianças.


Inicialmente, para que aprenda a ser livre, a criança deve aprender a confiar e a obedecer (Pereirinha, 2022). Para isso, cabe aos pais dar-lhe motivos encorajadores para que a criança entenda o propósito de tais ações, ajudando-a a usar a autoridade com sabedoria e sensatez, para se crie uma convivência sadia com os demais.


Se os filhos crescerem percebendo que a obediência se deve ao bem moral, entendem os seus motivos, forjam o seu caráter e aprendem a ser autenticamente livres, melhorando como pessoas e disseminando esse bem-estar à sua volta.




43 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como pode a escola formar alunos felizes?

A escola desempenha um papel crucial na formação de alunos felizes, não apenas fornecendo conhecimento académico, mas também promovendo competências sociais, emocionais e pessoais. Várias são as estra

Como gerir a pressão nos períodos de avaliação

Os períodos de avaliação representam um momento inquietante para os alunos e gerador de uma sintomatologia ansiogénica inevitavelmente prejudicial. Lidar com a pressão nos períodos de avaliação é desa

Comments


bottom of page