• Alexandra Gomes

Estudar…Porquê?

"A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo. "

Nelson Mandela


Hoje em dia, ter um canudo deixou de representar um emprego garantido. Então, surgem outros dilemas associados a este distanciamento, entre a formação superior e o trabalho realizado.


Na sua obra bibliográfica Aprendendo Inteligência (2008), o Prof. Pier afirma que a Humanidade está cada vez mais imbecilizada, escasseando o bom uso de uma competência tão distinta para o ser humano, como a Inteligência.


A Humanidade parece robotizada e vencida pela inércia cognitiva, expressão metaforicamente reiterada pela “Bimby Cognitiva”, na qual se apresentam verdadeiros chefs maquinizados, que sabem ler perfeitamente o manual de instruções e que, após colocar todos os ingredientes… voilá!, obtêm resultados magníficos! Estudar assume assim, um papel secundário e parece fazer todo o sentido perguntar: “Estudar porquê?”.


A resposta a esta questão parece relacionar-se com as expectativas em relação à humanidade e aí a humanidade pode ser mais…muito mais do que apenas um robot.


Para isso, precisa de estudar e a “arte de estudar” começa bem cedo e não tem idade de fim. Quem estuda bem, fá-lo não para tirar boas notas, já que essas se tornam um meio e não um fim, mas com um sentido, por um motivo: o de ser mais inteligente, mais culto e mais criativo!



Referência Bibliográfica


Piazzi, P. (2008). Aprendendo Inteligência. Manual de Instruções do Cérebro para alunos em geral. Coleção Neuropedagogia. Volume I. são Paulo: Editora Aleph.

55 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Dicas para a promoção da autoestima infantil

A autoestima é uma qualidade do Ser Humano com muito impacto na forma como este se sente e relaciona com os outros. Por ser tão importante ter essa qualidade consolidada, é um dever dos pais/educadore

“Educar o Pensamento”, segundo Javier Urrai

O Psicólogo e Pedagogo, Javier Urra, na sua obra, “O Pequeno Ditador” (2007), refere a importância da capacidade das crianças em manusear os próprios pensamentos. Segundo o autor, ao serem incapazes d