• Alexandra Gomes

História do “Pequeno Príncipe” na vida real

A obra “O Pequeno Príncipe”, da autoria de Antoine de Saint-Exupéry, é um dos livros mais atuais de sempre!

Mesmo sendo catalogado como um livro infantil, nele encontram-se os temas mais profundos como o sentido da vida, o amor, a amizade, a solidão e a perda.

Nesta obra literária, são espelhadas as dificuldades da humanidade na forma como enfrenta os desafios e do modo como se comporta. Afinal, a vida, na sua essência, não é difícil…difíceis são os seus protagonistas: os humanos!

Os ensinamentos presentes na história de “O Pequeno Príncipe” levantam questões sobre a forma como se vive e sobre a possibilidade de aprender a fazer e ser melhor.

Ao longo da história há várias reflexões, imagens e ações carregadas de sensibilidade e ternura e que se traduzem em preciosas lições de vida, transversais ao Ser Humano.

  1. “O essencial é invisível aos olhos”. Esta é uma reflexão cada vez com mais sentido, já que o materialismo, a competitividade e as aparências são particularidades superficiais e efémeras, em contraste com a essência de tudo e de todos. “Somos muito mais que esse mundo de aparências”. As coisas mais importantes são as que não se podem ver, mas as que se podem sentir, tal como o amor, a amizade e a generosidade.

  2. “Conhece-te a si mesmo e compreenderás melhor os outros”. O autoconhecimento, a priorização pessoal, a dedicação a si próprio, é mais complexo do que o julgamento do outro. Escolher colocar-se no lugar da causa das coisas é assumir as rédeas da própria vida, responsabilizar-se por ela e é comprometer-se a ser melhor a cada dia. Só assim compreende melhor o outro e dificilmente o julga.

  3. “Amor não é olhar um para o outro, mas olharem os dois na mesma direção”. O Amor significa reciprocidade e a sua construção resulta da colaboração entre os elementos de uma relação. Caminhar na mesma direção é partilhar projetos de vida, alegrias, experiências e interesses comuns, dando suporte e vitalidade aos dois protagonistas dessa história.

  4. “Mantém a imaginação e a esperança, apesar das piores experiências”. A vivência de experiências desagradáveis corre o risco de criar resistência e desconfiança nos seus protagonistas. Estes perdem o frescor da sua inocência e deixam de experienciar o extraordinário que há em tudo o que acontece. As situações difíceis inevitavelmente geram medo e angústia. Estas emoções permitem o crescimento e a esperança de que tudo tem um sentido, um significado que escapa da razão e é sustentado por diversas emoções.

  5. “Atreve-te a conhecer as pessoas na sua essência”. Tantas vezes o foco é no que se tem e não no que se é. Conhecer alguém em profundidade, a sua verdadeira essência é das aventuras mais extraordinárias. O julgamento externo castra a possibilidade de conhecer o outro, compreendê-lo de forma verdadeira e impede a possibilidade de amar na sua plenitude!

Fonte: https://amenteemaravilhosa.com.br/5-licoes-pequeno-principe-ser-melhor/

139 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O desgaste que é provocado pelo exercício da atividade de ensino, tem impacto significativos na saúde mental dos professores, sendo, por isso, importante que sejam aplicadas metodologias e abordagens

Estamos em Dezembro! Os dias estão menos claros, a chuva marca o seu lugar e o frio, timidamente, tenta aparecer e ficar, mas ainda por breves momentos. Seja de que forma for, por entre resquícios pa

Quando se fala em Bullying, espontaneamente considera-se como sendo uma realidade grave entre crianças. Mas o Bullying é também uma realidade entre os adultos, particularmente entre os professores, co