• Alexandra Gomes

Lidar com a frustração e alcançar o sucesso

Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que temos.

(Eduardo Galeano)


Tal como em várias áreas de vida, em educação é preciso aprender a lidar com a frustração.


Ao longo da escolaridade, o aluno confronta-se com vários momentos de angústia, tristeza, alegria, entusiasmo e frustração.

Nestes momentos, saber regular essas emoções e particularmente “saber lidar com a frustração” é importante para não condicionar o rendimento académico.


Vivenciar o sentimento de frustração é uma oportunidade de crescimento pessoal e emocional. A frustração implica sofrimento, mas, como refere o pedagogo Renato Paivai, “é nos momentos de sofrimento e frustração que nos apercebemos da realidade… De expectativas demasiado altas ou demasiado baixas, de desempenhos distorcidos, de resultados camuflados…


Evitar perceber novas perspetivas e realidades não permite evoluir e crescer” (p.271).


Na dimensão educativa, aprender a lidar com a frustração implica a exposição a esta emoção, preferencialmente num ambiente forte e seguro, aprendendo que a frustração, embora implique sofrimento, é também a oportunidade de ser reorganizada e melhorada a própria realidade. Por outras palavras, mais importante que a queda é as crianças sentirem que ir-se-ão levantar mais fortes e, inicialmente, contando com a ajuda de alguém.


É importante que as crianças aprendam com os erros e giram as emoções decorrentes do insucesso. Da parte do adulto, é fundamental não vivenciar o insucesso por elas, mas amparar a sua queda; é importante evitar a crítica e o negativismo da frase “eu bem te disse” e transformar essa atitude numa postura otimista, encorajadora e estruturante.


A vida é feita de escolhas, não de expectativas!. Estas são como esperas ansiosas que produzem um efeito terrível na vida de cada um e a imaginação é um aliado poderoso no seu fortalecimento. Como resultado, são criados cenários com ínfimas possibilidades de acontecerem e fica traçado o caminho para a deceção e para a frustração pessoal.


É também importante partilhar com a criança que há coisas que dependem unicamente da própria pessoa e há outras que dependem muito mais dos outros ou de acontecimentos externos, do que o próprio desempenho. Por isso, o papel do adulto para com as crianças passa por ajudá-las a não criar expectativas muito elevadas perante uma situação, sobretudo quando esta não depende diretamente dela.


Sem dúvida, a vida é feita de escolhas, mas estas são temperadas pelas próprias expectativas.

107 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Com a entrada no 1º ano de escolaridade é frequente ouvir comentários sobre a distração das crianças, sobretudo na sala de aula. A realidade é que, a capacidade de concentração não é espontânea; adqui

As férias estão a terminar e o regresso à escola e ao trabalho está a chegar. Regressar às rotinas, acordar cedo, cumprir horários, andar acelerado, é uma realidade pela qual quase todos passam e nem

O ruído é estimado uma das variáveis mais nefastas do ambiente e é considerado uma das principais causas das doenças socioprofissionais, provocando cerca de 70 000 acidentes de trabalho por ano[i]. Pa