top of page
  • Foto do escritorAlexandra Gomes

O confinamento e as famílias: resultados de investigação

Desde março de 2020, com a Pandemia do Covid-19, que a vida humana se alterou significativamente, com um impacto intenso em cada um. Diversas têm sido as situações vivenciadas: aulas on-line, teletrabalho, celebrações on line, vídeo chamadas, uso de máscaras e desinfetantes, ausência de beijos e abraços, dependências de ecrãs, silêncios forçados…


Esta pandemia veio, de facto, alterar crenças, ideologias, pensamentos, emoções e comportamentos. Neste sentido, vários estudos foram realizados, para analisar o impacto da pandemia e do confinamento nas famílias, em geral, e nas famílias portuguesas, em particular.


Desses estudos, ressalvam-se os resultados de um estudo realizado pelas Universidades de Coimbra e do Porto, integrado num consórcio de 40 países, cujo foco de interesse é o surgimento do burnout parental, resultante desta pandemia.


De forma sucinta, desse estudo verifica-se que, por um lado, cerca 20 e 30% dos pais e das mães, respetivamente, afirmam que o confinamento e o isolamento social originaram um aumento dos sintomas de burnout parental, traduzido em condutas mais impulsivas e menos tranquilas em relação aos filhos. Por outro lado, percentagem idêntica afirma esta é uma fase de “oportunidade para aumentar a qualidade da própria parentalidade” e da relação com os seus filhos e, por isso, para o exercício da parentalidade, de forma mais tranquila e positiva.


Ora, sendo que o burnout parental surge quando há uma clivagem entre as exigências do exercício da parentalidade e os recursos parentais para lidar com essas exigências, mais do que a situação em si, um fator disseminador dessa clivagem é a perceção do impacto do confinamento na qualidade da relação com os filhos e da parentalidade. Assim, se os pais percecionarem esta situação como positiva, esse fator tem um impacto no bem-estar emocional dos pais e consequentemente na relação de parentalidade estabelecida.

64 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Como atuar quando as crianças têm pesadelos frequentes?

Como foi referido num artigo anterior, os pesadelos recorrentes em crianças podem ser causados por uma variedade de fatores, perante os quais é necessário atuar com sensibilidade e cuidado, de forma a

Comments


bottom of page