• Alexandra Gomes

O lado negativo dos “Quadros de Honra”

Os conhecidos “Quadros de Honra” fazem parte dos desafios das escolas e das inquietações das famílias há já algum tempo.

O seu objetivo passa por serem um reforço positivo para a obtenção de boas classificações escolares. Estes apelam, por isso, à perfeição, à impossibilidade de “falha” e à ostentação da vaidade, assente nos resultados académicos.


Segundo a Psicóloga Alexandra Nunes, esta estratégia, com as boas intenções associadas, acaba por ser uma falácia no desempenho académico e na evolução humana de cada criança, transmitindo duas perniciosas mensagens.


A primeira é que nunca se deve falhar. Logo aqui, ficam sabotadas as intenções de se trabalhar a tolerância à frustração e a resiliência. A segunda é de se limitar o sucesso humano ao sucesso académico~, em todas as áreas académicas.


No mínimo, estas mensagens geram nos alunos, tensão, intolerância, competição e egoísmo, valores que em nada favorecem o tão desejado bem-estar das crianças, pelos seus educadores.


Ao privilegiar os “Quadros de Honra”, privilegia-se a impossibilidade de lidar com a frustração, fazendo os alunos acreditarem que se vive sem errar e aprende-se sem falhar!


Estes tornam-se como uma bolha, que impede a preparação das crianças e dos jovens para a vida profissional e cria em si a ilusão de uma realidade sem falhas, sem quedas, apenas com ganhos e prémios meritórios do desempenho.


O excesso de competitividade decorrente dos “Quadros de Honra”, prejudica, assim, o desenvolvimento de valores como a empatia e a cooperação entre os pares e cria “seres que olham muito para os outros, mas não pelos outros”.

Fonte: Quadros de honra, queremos educar para a excelência académica (uptokids.pt)

56 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Chumbar ainda significa falhar, errar ou fracassar. E estes sinónimos representam os receios dos pais que, para os reduzir, elogiam os filhos, pelos seus resultados. Por sua vez, os filhos tendem a se

A prática da Meditação, particularmente com os mais novos, tem conquistado um lugar privilegiado nos espaços escolares e em vários lares portugueses. O que há uns anos era uma prática acessível apenas