• Alexandra Gomes

O Resgate dos “Patinhos Feios” dos dias de hoje

“O Patinho Feio”, é uma obra literária que, à semelhança de muitas histórias, traz consigo ensinamentos, reflexões e questionamentos sobre a forma como se vive. Importa, por isso, atentar nalgumas passagens desta obra e refletir sobre “os patinhos feios” dos dias de hoje.


“Quando o último ovo não partiu, começava logo a ser diferente, já pouco esperavam dele.”


Quantas vezes, os educadores, pela “primeira impressão”, por indicações prévias de anos escolares anteriores, criam preconceções da criança e esperam tão pouco dela? Afinal, “tendemos a aceitar quem está na norma e na norma se sobressai”.

Com o passar dos anos, enquanto adultos, perde-se um amigo: o Tempo. Aí, repetidamente é ouvido “não tenho tempo”. Movidos por esse princípio, “encaixota-se” as crianças em grupos de competências (as mais capazes, as com mais potencial, as mais malandras, as mais espertas…e por aí adiante) e, a partir daí, investe-se nas crianças mais facilmente moldáveis às expectativas do adulto.


No contexto escolar, à semelhança dos outros, há as próprias pressas, os prazos específicos e os educadores insistem em desqualificar a qualidade do tempo – tempo Kairos – e do processo de aprendizagem pessoal, ditando as suas regras e “começando a dar bicadas” nas crianças, para acelerar o seu desenvolvimento. Afinal, o que pretendem com as metas pessoais, parentais e curriculares é o seu sucesso!


Mas, quando se referem ao sucesso, exatamente ao que se referem? O mais visível é aquele sucesso refletido nos resultados escolares ou no prémio de mérito recebido no final do ano letivo.


Pois bem, “sucesso”, é muito mais do que “apenas” este sucesso. Winston Churchill, pautado por uma vida inicial de malogros, defendeu que o sucesso é “ir de fracasso em fracasso sem perder o entusiasmo”. No mesmo seguimento, o autor Ralph Waldo Emerson considera que o verdadeiro sucesso é passa por rir frequentemente e muito, conquistar o respeito e o afeto das pessoas, apreciar a beleza e encontrar o melhor nos outros, e saber que pelo menos uma vida foi mais fácil pela presença de si próprio.


“Logo à nascença, o patinho foi rotulado como feio”, à semelhança de milhares de crianças hiperativas, com défice de atenção e comportamento de oposição… A partir daí espera-se menos dessas crianças e o dever fraternal dos educadores é cuidar delas, mas “não puxando muito por si”. Os pais da atualidade também não esperam demasiado do seu do patinho pois o reu rótulo dá-lhes o que os outros esperam dele – muito pouco – e aí, estão presentes as clássicas expressões “Eu também era assim…”.


Lamentavelmente, o que, não tão poucas vezes se espera hoje das crianças, sejam rotuladas ou não, é que façam o que os educadores achem ser o melhor para elas. Mas atenção: O Mapa não é o Território! Não se sabe como as coisas realmente são, mas como se representam para si próprios.


No final, importa reter que cada criança é única, desafiante e compete aos educadores verem em si, o cisne que muitas vezes está obduto por preconceitos, estigmas e frustrações e resignações pessoais.

88 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Com a entrada no 1º ano de escolaridade é frequente ouvir comentários sobre a distração das crianças, sobretudo na sala de aula. A realidade é que, a capacidade de concentração não é espontânea; adqui

As férias estão a terminar e o regresso à escola e ao trabalho está a chegar. Regressar às rotinas, acordar cedo, cumprir horários, andar acelerado, é uma realidade pela qual quase todos passam e nem

O ruído é estimado uma das variáveis mais nefastas do ambiente e é considerado uma das principais causas das doenças socioprofissionais, provocando cerca de 70 000 acidentes de trabalho por ano[i]. Pa