• Alexandra Gomes

Os adolescentes e a sua participação social

“As gerações são fruto de um tempo e das suas contingências”. Esta afirmação, tão assertiva da psicóloga, Margarida Gaspar de Matos, na sua obra “Adolescentes. Suas vidas. Seu futuro” justifica, de certo modo, a perceção dos resultados de estudos realizados, que revelaram a baixa participação social dos jovens adolescentes. Talvez, o que se passe é que as suas formas de participação se tornem quase irreconhecíveis, enquanto “formas de participação”, dadas as mudanças vivenciadas.


Aquando da reflexão com os jovens sobre vários temas fraturantes, o trabalho é priorizado, em detrimento da dimensão familiar (que não a sua na altura), o clima ou o ambiente físico.


No mesmo grau, questões de participação na vida pública são relativizadas. Por um lado, os adolescentes mais novos não têm opinião sobre o assunto e, por outro lado, os mais velhos acham que a culpa da crise económico-social é dos idosos que não se reformam ou vivem muitos anos sob a reforma.


Por sua vez, os nossos idosos culpam os jovens de não quererem fazer nada, não trabalharem e não fazerem descontos, alegando que são eles, com os seus ganhos ao longo da vida, quem lhes paga subsídios, estudos e saúde, enquanto os jovens andam a “divertir-se, a beber, a consumir drogas e a manter-se em conflitos”.


Com esta “troca de galhardetes” não se chega a “bom porto”! Por isso, reiterando a perspetiva de Margarida Matos (2020), “há que apostar nos recursos das pessoas, potenciando sinergias e não deixando que estas se afundem em contenciosos ocos, com mundos clivados em dois”


Fonte: “Adolescentes. As suas vidas, o seu futuro” (Margarida Gaspar de Matos, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2020).

33 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Os castigos ainda existem na conduta parental portuguesa e nalguns contextos escolares (tal como tempos reduzidos de intervalo, a escrita repetida de frases do que não deve fazer, os trabalhos de casa

Tal como os adultos, e sendo inerente a todos os seres vivos, a “perda”, de algo ou alguém importante, é inevitável. Dependendo da dimensão da perda, construir algo depois do fim, parece ser uma taref

“Ao final do dia, uma boa família deveria fazer com que tudo fosse inesquecível.” (Mark V. Olsen) Educar é uma tarefa diária desafiante. Se não for realizada de forma adequada, a educação pode “desedu