• Alexandra Gomes

Os (in)dispensáveis castigos na educação das crianças

Os castigos ainda existem na conduta parental portuguesa e nalguns contextos escolares (tal como tempos reduzidos de intervalo, a escrita repetida de frases do que não deve fazer, os trabalhos de casa adicionais, tornando-os um inimigo a evitar e descredibilizando o seu objetivo…), sendo absolutamente dispensáveis na educação das crianças.


Um castigo, por si só, deve ser algo mau, negativo e não levam a que a criança nutra mais respeito pelos professores/pais mas, pelo contrário, medo dos mesmos.


Por exemplo, no contexto escolar, os melhores professores não castigam porque sabem impor a sua autoridade, de forma assertiva. Os melhores professores não gritam, ameaçam ou ralham… simplesmente incutem respeito.


Por outro lado, e ainda os há, os professores adjetivados como histéricos, sarcásticos enfurecidos, mal-encarados e ineficazes que ativam nas crianças o medo e o fingimento de um comportamento obediente apenas na sua presença.


Quando se impõe um castigo a uma criança tenta moldar-se essa criança à sua vontade, reprimindo-se o seu potencial intelectual e a sua visão crítica da sociedade.


Os castigos também tendem a ser violentos (física ou psicologicamente) e quando aplicados podem gerar consequências irreversíveis na educação das crianças. Estas aprendem mais facilmente por modelagem e se estiverem rodeadas por violência, aprendem a responder da mesma forma ao que acontece consigo.

Além disso, o castigo tende a estar associado à pessoa e não ao comportamento, o que leva a que a criança associe a punição à pessoa que o aplicou e não reduz a frequência do seu comportamento, mas evitará a pessoa que administra o próprio castigo.


Educar uma criança é algo complexo e cheio de nuances. O castigo, embora possa parecer uma solução simples e fácil, é, na maioria das vezes, superficial e perigosa.


Os comportamentos negativos não devem ficar impunes, claro, mas a educação em valores obriga a uma atitude mais complexa.


Uma boa educação é aquela que assenta num perfil educacional democrático, crítico e baseado no debate e na procura alternativas para resolver os problemas criados pela própria criança, atribuindo-lhe a responsabilidade pelas suas ações.

40 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Tal como os adultos, e sendo inerente a todos os seres vivos, a “perda”, de algo ou alguém importante, é inevitável. Dependendo da dimensão da perda, construir algo depois do fim, parece ser uma taref

“Ao final do dia, uma boa família deveria fazer com que tudo fosse inesquecível.” (Mark V. Olsen) Educar é uma tarefa diária desafiante. Se não for realizada de forma adequada, a educação pode “desedu

O sentimento de vazio, sem rumo, de apatia, com uma profunda falta de vontade para fazer ou ser o que quer que seja, sobretudo nos últimos tempos, é um estado frequente por entre os adultos. Esta é um