• Alexandra Gomes

Os (in)dispensáveis castigos na educação das crianças

Os castigos ainda existem na conduta parental portuguesa e nalguns contextos escolares (tal como tempos reduzidos de intervalo, a escrita repetida de frases do que não deve fazer, os trabalhos de casa adicionais, tornando-os um inimigo a evitar e descredibilizando o seu objetivo…), sendo absolutamente dispensáveis na educação das crianças.


Um castigo, por si só, deve ser algo mau, negativo e não levam a que a criança nutra mais respeito pelos professores/pais mas, pelo contrário, medo dos mesmos.


Por exemplo, no contexto escolar, os melhores professores não castigam porque sabem impor a sua autoridade, de forma assertiva. Os melhores professores não gritam, ameaçam ou ralham… simplesmente incutem respeito.


Por outro lado, e ainda os há, os professores adjetivados como histéricos, sarcásticos enfurecidos, mal-encarados e ineficazes que ativam nas crianças o medo e o fingimento de um comportamento obediente apenas na sua presença.


Quando se impõe um castigo a uma criança tenta moldar-se essa criança à sua vontade, reprimindo-se o seu potencial intelectual e a sua visão crítica da sociedade.


Os castigos também tendem a ser violentos (física ou psicologicamente) e quando aplicados podem gerar consequências irreversíveis na educação das crianças. Estas aprendem mais facilmente por modelagem e se estiverem rodeadas por violência, aprendem a responder da mesma forma ao que acontece consigo.

Além disso, o castigo tende a estar associado à pessoa e não ao comportamento, o que leva a que a criança associe a punição à pessoa que o aplicou e não reduz a frequência do seu comportamento, mas evitará a pessoa que administra o próprio castigo.


Educar uma criança é algo complexo e cheio de nuances. O castigo, embora possa parecer uma solução simples e fácil, é, na maioria das vezes, superficial e perigosa.


Os comportamentos negativos não devem ficar impunes, claro, mas a educação em valores obriga a uma atitude mais complexa.


Uma boa educação é aquela que assenta num perfil educacional democrático, crítico e baseado no debate e na procura alternativas para resolver os problemas criados pela própria criança, atribuindo-lhe a responsabilidade pelas suas ações.

45 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A felicidade de ter um filho e o desejo que ele cresça e seja feliz é grandioso e sem limites. O amor é incondicional e o medo que algo de mal lhe aconteça é diretamente proporcional. As emoções sobre

As crianças, como seres especiais e únicos que são, comunicam das mais variadas formas, seja através do comportamento ou da postura corporal, seja através de brincadeiras ou até mesmo de uma linguagem

“A educação financeira é um elemento fundamental na educação”. Quem o diz são os autores da obra literária, intitulada “Educação Financeira na Escola” (Ed. Paco & Littera). Conceitos como “endividamen