• Alexandra Gomes

Os limites dos limites na parentalidade

“A minha liberdade termina onde começa a liberdade do outro”. Esta é uma frase, desde sempre, presente nos princípios humanos, que pauta a organização e a fluidez da vivência em comunidade.


Mesmo para os adultos, o cumprimento desta frase nem sempre é fácil; para as crianças, para os jovens e adolescentes, torna-se ainda mais desafiante.


O estabelecimento de limites torna-se, por isso, um grande desafio para os pais: as crianças adoram desafiar os pais e estes nem sempre estão tranquilamente à altura de gerir estas pequenas “provocações”.


A questão é que, mesmo sendo desafiante, estas mesmas crianças precisam destes limites para se sentirem seguras e balizadas e crescerem de forma saudável, respeitarem o próximo e a si próprios. e são os pais, os melhores protagonistas no estabelecimento desses limites. A sua atuação é determinante para o desenvolvimento de crianças e jovens confiantes, seguros, tranquilos e felizes!


Os pais têm ao seu serviço algumas estratégias pertinentes para o estabelecimento de limites nas crianças e estas podem ser:

- Estabelecer rotinas diárias na vida da criança. Ao invés de serem as crianças a adaptarem-se à vida dos pais, estes devem adaptar-se ao dia-a-dia das suas crianças (horas para comer, dormir, fazer os trabalhos de casa, brincar…).


- Ser coerente: os pais devem ser coerentes na comunicação de regras e limites, repetindo diariamente as mesmas e não mudar de ideias quanto a um assunto pré-definido. A expressão “já te disse não sei quantas vezes para…”, também dificilmente impacta na criança, gerando a vulnerabilidade na aplicação desses mesmo limites.


- Ser seguro e assertivo na comunicação, através do tom de voz, do contacto visual, da movimentação corporal.


- Avisar “só” uma vez: ao avisar várias vezes a criança, este pedido perde força e credibilidade de quem pede perante a criança.


- Evitar o suborno para conseguir que a criança faça alguma coisa, como por exemplo, os trabalhos de casa. Desta forma o risco de aumentar a insatisfação da criança na realização de alguma tarefa torna-se maior.


- Substituir o reforço positivo pela ameaça/castigo na realização de uma tarefa: ao modelar os comportamentos da criança, recorrendo ao castigo ou à ameaça, educa uma criança no medo, gerando maior insegurança e um estado anímico mais reativo.


- Passar tempo de qualidade com a criança para, assim, reforçar os laços de parentalidade e aumentar o conhecimento e a cumplicidade pais-filhos. Desta forma, os pais sentir-se-ão mais tranquilos e seguros no estabelecimento de limites.


Este é um trabalho desafiante mas enriquecedor para os pais e não se consegue da noite para o dia mas por tentativa e erro, acreditando que hoje foi assim mas amanhã será melhor. Cada dia é, assim, uma nova oportunidade para serem pais ainda melhores, de filhos ainda mais felizes!

42 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Ensinar a Criança a Lidar com a Frustração

Uma das características que mais inquieta os pais é a dificuldade dos filhos crianças em lidarem com a frustração. Sem saber bem como tudo começou, esta incapacidade parece ter advindo do fascínio dos

Educar Sem Violência numa era Pandémica

No decorrer desta pandemia, ao contrário do que inicialmente aspirávamos e nos agarrávamos para tentar encontrar, desde o início, pontos positivos para o que se estava a passar, verifica-se que não no

“Ser Mãe é…” – Declaração às Mães

Ser Mãe. Ser Mãe é saber ser muitos papéis e também ser “a melhor mãe do mundo”! Ser Mãe é acolher toda a família, é rir com o corpo todo, mesmo após lágrimas de cansaço e escassos momentos de sono. S