• Alexandra Gomes

Os outros heróis da Pandemia COVID-19

O ano letivo está a terminar e, mais uma vez, com este ano, viveram-se confinamentos e desconfinamentos, aulas presenciais e aulas on-line, vontade de estar limitada pelo medo e pela angústia, sorridos tapados, abraços evitados, partilhas negadas… Foi um ano intenso, um ano pautado por expectativas malogradas, por “querer’ és mas não poder’ és. Crianças e jovens pensaram diferente, estudaram diferente, aprenderam diferente.


Este ano letivo reiterou a parte do ano letivo anterior: a 16 de março de 2020, de uma semana para a outra, a Escola e a Educação reinventaram-se e todos nós, mais ou menos “aturdidos” acabámos por aceitar e ver no que tudo isto ia dar.

Deu mais para uns do que para outros: o acesso às novas tecnologias não foi logo, desde o início, igual para todos, a paz em casa não foi sentida por todos e o apoio em casa foi vivido de diferentes formas.


No meio de tantas incertezas, uma certeza, porém…


Ambas as partes – professores e alunos – cada uma à sua maneira, foram vencedoras. Ambas tiveram muito trabalho, ambas chegaram à exaustão pelo esforço na superação dos pequenos grandes desafios diários, ambas se sentavam à frente do computador e se de uma parte era esperada qualidade no ensino, a outra era desejada disciplina, atenção e motivação na aprendizagem.


Por isso tudo, um bem-haja aos “outros heróis” que sobreviveram a este (ainda) período Pandémico, desejando que no próximo ano, um novo ano represente uma nova Educação, mais clara e mais certa de que o próximo ano pode ser um bom ano!

76 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O nascimento de um filho representa o desejo de o fazer feliz, tranquilo e distante de todos os perigos. Os pais temem pela sua felicidade e a vontade de sentir as dores pelos filhos é inigualável. A

A ansiedade é um estado de preocupação intenso e duradouro com algo que possa vir a acontecer. No final do ano letivo, a preocupação, transversal à maioria dos alunos, é o seu desempenho académico nos

A felicidade não é perene. Este é um facto. Por mais otimista que se queira ser, há alturas em que emoções como o medo, a tristeza, o desejo ou a angústia surgem na vida do ser humano. Estas emoções a