• Alexandra Gomes

Parentalidade Consciente: o que é e quais os seus valores base?

Nos últimos anos tem-se escrito, falado e escutado sobre a designação “Parentalidade Consciente”. Do que se trata e como se concretiza este conceito?


A expressão “Parentalidade Consciente” traz uma nova perspetiva à nossa vida e à parentalidade e significa compreender porque fazemos o que fazemos, quebrando, assim, um ciclo de padrões repetitivos. Tendencialmente educamos segundo os nossos modelos de educação e condicionalmente surgem os “ralhetes”, os gritos como auxiliares de imposição da vontade parental, do “castigo para aprender” e raramente se questiona o impacto negativo que estas estratégias parentais podem ter na criança.


A “Parentalidade Consciente” assenta nos princípios de Mindfulness, isto é, na Atenção Plena no momento presente, sem uma atitude avaliativa e ausente de julgamentos, alinhada com os próprios valores das figuras parentais. Mais do que um receituário, by the book, esta perspetiva refere-se antes à forma como se comunica, como se gere as divergências entre pais e filhos.


Mais do que “certo ou errado”, “importante ou dispensável”, há valores transversais ao desenvolvimento humano que se adequam e integram uma prática parental expectavelmente geradora de seres empáticos, generosos, amorosos, determinados e…FELIZES (é ou não é o desejo maior de todos os pais?)!


Neste contexto, a terapeuta MiKaela Övén (2020) apresenta 4 valores base para a vida em família, com aplicabilidade prática no desenvolvimento de cada elemento.


1.Igual Valor: as opiniões, os desejos, as características, as emoções e os pensamentos de cada um devem ser respeitados e aceites de igual forma e não (des)sobrevalorizados devido à idade, ao sexo ou ao papel familiar.


2.Integridade: a “integridade” é aqui definida como a soma das emoções, dos valores e dos pensamentos de cada um. Cuidar da integridade de cada um, respeitar a própria integridade é um forte contributo para o aumento da sua autoestima e, espontaneamente para o respeito da integridade do outro. O respeito pela própria integridade expressa-se na habilidade em observar as próprias emoções, os próprios pensamentos e valores e na consequente reflexão sobre essa observação. Neste valor é desenvolvida a capacidade de se colocar no lugar do outro – empatia. A forma como este valor é expresso assenta na comunicação parental e não no “facilitismo parental”, isto é, demonstrar a compreensão do que a criança sente/quer não significa anuir que essa vontade seja concretizada quando ela quer. Mais do que fazer a vontade, é importante demonstrar que compreende que ela sinta essa vontade.


3.Autenticidade: significa “credibilidade”; capacidade de se exprimir de forma credível, em momentos de maior harmonia ou conflito. Em ambos os casos, a autenticidade deve suster a interação, expressa na criação de um ambiente de presença, abertura e credibilidade.


4.Responsabilidade: responsabilidade que tem pela própria vida, pelas próprias emoções, pelas ações e pelas escolhas pessoais. É a capacidade de se colocar na causa dos acontecimentos, e não se considerar o efeito ou a vítima do que lhe acontece. A promoção da responsabilidade pessoal é um bom preditor da designação da autonomia da criança.


Através destes valores, é estabelecido um ponto de partida para o desenvolvimento pessoal e para uma parentalidade positiva, consciente dos desafios de ser mais Pessoa!


Referência bibliográfica:


Övén, M. (2020). Educar com Mindfulness. Porto: Porto Editora.

69 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Ensinar a Criança a Lidar com a Frustração

Uma das características que mais inquieta os pais é a dificuldade dos filhos crianças em lidarem com a frustração. Sem saber bem como tudo começou, esta incapacidade parece ter advindo do fascínio dos

Educar Sem Violência numa era Pandémica

No decorrer desta pandemia, ao contrário do que inicialmente aspirávamos e nos agarrávamos para tentar encontrar, desde o início, pontos positivos para o que se estava a passar, verifica-se que não no

“Ser Mãe é…” – Declaração às Mães

Ser Mãe. Ser Mãe é saber ser muitos papéis e também ser “a melhor mãe do mundo”! Ser Mãe é acolher toda a família, é rir com o corpo todo, mesmo após lágrimas de cansaço e escassos momentos de sono. S