• Alexandra Gomes

Porque rir faz bem!

A boa disposição é uma competência que deve ser compartilhada entre cada vez mais pessoas, contribuindo para um estado crescente de felicidade e bem-estar.

Sorrir diminui a intensidade de emoções negativas e alivia a tensão, contribui para o relaxamento e, por isso, aumenta a longevidade.


À medida que crescem, os adultos desaprendem a rir, deixam de o fazer livre e espontaneamente e simplesmente desabituam-se a fazê-lo, enclausurando-se na sua bolha e escolhendo não sentir.


A questão é que, muito mais do que “abrir a boca para mostrar os dentes”, na perspetiva da Coach Infantil Sara Nunes, o riso representa um antidepressivo natural, com boas indicações físicas, mentais e emocionais; o riso é como uma estratégia de Consciência.


Plena no momento presente, que não permite pensar em nada, apenas sentir.

As crianças fazem-no naturalmente e várias vezes por dia, mas os adultos, pela sua saúde, deviam-no integrar no seu dia a dia, por vários momentos, e, na maioria das vezes, isso não acontece.


O riso tem benefícios físicos, mentais e emocionais para o ser humano, devendo, por isso, ser praticado quotidianamente. Fisicamente, o riso proporciona como que uma higiene do Sistema Respiratório, fortalece o Sistema Cardiovascular, oxigena o cérebro e as células do corpo e elimina as toxinas e calorias do organismo. Quanto aos benefícios mentais, rir funciona como um antidepressivo natural, na medida em que promove a libertação de endorfinas e serotonina, faz descer os níveis de stresse e estimula a criatividade.


Consequentemente, a pessoa alcança um bem-estar pessoal e social, vê aumentada a sua autoestima e sente-se motivada a estabelecer conexões com os outros.


Rir e fazer rir em casa, no trabalho e na escola é, sem dúvida, um dos melhores trunfos para superar os desafios do dia a dia!

https://uptokids.pt/quais-os-beneficios-do-riso-para-a-sua-saude/

91 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A ansiedade é um estado de preocupação intenso e duradouro com algo que possa vir a acontecer. No final do ano letivo, a preocupação, transversal à maioria dos alunos, é o seu desempenho académico nos

A felicidade não é perene. Este é um facto. Por mais otimista que se queira ser, há alturas em que emoções como o medo, a tristeza, o desejo ou a angústia surgem na vida do ser humano. Estas emoções a

No final do ano letivo muitas emoções afloram nas turmas, especialmente naquelas que estão em fase de transição para um novo Ciclo Escolar. Seja do pré-escolar para o 1º Ciclo, deste para o 2º Ciclo,