• Alexandra Gomes

Que o lugar deste novo ano letivo seja no seu lugar!

Nunca como agora se ansiou que o próximo ano letivo seja no seu lugar: o espaço escola!


A ânsia de um novo ano, o regresso à rotina, a adaptação a novos amigos e a professores novos, o medo de não conseguir ter os resultados almejados e o receio ainda sentido com que esta pandemia se alojou em cada um, faz com que o regresso às aulas gere mais dúvidas que certezas.


O início de um novo ano letivo em formato presencial é garantido, mas as dúvidas da permanência neste formato, ao longo do ano, também estão presentes. Tendo este princípio como certo, importa alterar a perceção pessoal de cada um. Não será “mais do mesmo” e os cuidados sanitários dever-se-ão manter.


Agora, o medo…esse deve ser refreado, começando pelos educadores, para não comprometer o desenvolvimento equilibrado de todos os alunos.


Está provado que o ensino online sobretudo para os mais novos, não é uma opção eficaz e de fácil enquadramento, sendo comprometida a aprendizagem de competências básicas de leitura e escrita ou da aquisição da motricidade fina, sem que haja investimento e dedicação adicional dos educadores formais e informais.


É, por isso, determinante que este novo ano volte a ser o que era e regressar ao seu lugar: a escola.


Sem alarmismos e com alguns cuidados este novo ano pode ser um bom ano, com o regresso efetivo ao seu lugar!

40 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

O Coaching é uma ferramenta que ativa em cada um a definição e a consecução de objetivos e aplica-se em vários contextos, tem múltiplos destinatários e diverge em múltiplos objetivos. Especificamente

Com a entrada no 1º ano de escolaridade é frequente ouvir comentários sobre a distração das crianças, sobretudo na sala de aula. A realidade é que, a capacidade de concentração não é espontânea; adqui

As férias estão a terminar e o regresso à escola e ao trabalho está a chegar. Regressar às rotinas, acordar cedo, cumprir horários, andar acelerado, é uma realidade pela qual quase todos passam e nem