• Alexandra Gomes

Que o lugar deste novo ano letivo seja no seu lugar!

Nunca como agora se ansiou que o próximo ano letivo seja no seu lugar: o espaço escola!


A ânsia de um novo ano, o regresso à rotina, a adaptação a novos amigos e a professores novos, o medo de não conseguir ter os resultados almejados e o receio ainda sentido com que esta pandemia se alojou em cada um, faz com que o regresso às aulas gere mais dúvidas que certezas.


O início de um novo ano letivo em formato presencial é garantido, mas as dúvidas da permanência neste formato, ao longo do ano, também estão presentes. Tendo este princípio como certo, importa alterar a perceção pessoal de cada um. Não será “mais do mesmo” e os cuidados sanitários dever-se-ão manter.


Agora, o medo…esse deve ser refreado, começando pelos educadores, para não comprometer o desenvolvimento equilibrado de todos os alunos.


Está provado que o ensino online sobretudo para os mais novos, não é uma opção eficaz e de fácil enquadramento, sendo comprometida a aprendizagem de competências básicas de leitura e escrita ou da aquisição da motricidade fina, sem que haja investimento e dedicação adicional dos educadores formais e informais.


É, por isso, determinante que este novo ano volte a ser o que era e regressar ao seu lugar: a escola.


Sem alarmismos e com alguns cuidados este novo ano pode ser um bom ano, com o regresso efetivo ao seu lugar!

38 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Dicas para a promoção da autoestima infantil

A autoestima é uma qualidade do Ser Humano com muito impacto na forma como este se sente e relaciona com os outros. Por ser tão importante ter essa qualidade consolidada, é um dever dos pais/educadore

“Educar o Pensamento”, segundo Javier Urrai

O Psicólogo e Pedagogo, Javier Urra, na sua obra, “O Pequeno Ditador” (2007), refere a importância da capacidade das crianças em manusear os próprios pensamentos. Segundo o autor, ao serem incapazes d

Quando as crianças veem o que os adultos não conseguem

A mente curiosa necessita estímulos de todos os tipos para sobreviver, assim não coloquemos limites a seus olhares. (a.d.) As crianças têm maior capacidade de “ver o mundo” que os adultos. Entre vário