• Alexandra Gomes

Regulação emocional das crianças: aprender a lidar com a raiva

A multiplicidade de emoções permite distingui-las entre positivas e negativas.


As emoções negativas – que provocam sensações desagradáveis e derivam de pensamentos negativos – tendencialmente geram atitudes menos corretas para com os outros. Por exemplo, é naturalmente comum sentir raiva, derivado de pensamentos negativos. No entanto, a forma como se demonstra essa emoção pode ser prejudicial para o próprio e para os outros.


As crianças, tal como os adultos, sentem raiva e nem sempre a expressam de forma mais adequada e salutar para si. Nestes casos, devem encontrar formas seguras de o demonstrar, não destruindo objetos, nem magoando ninguém, através de comportamentos ou palavras.


Quando sentem raiva, as crianças devem:


1º - Parar e afastar-se do local onde estão a sentir raiva;

2º - Fechar os olhos e respirar profundamente, durante 10 vezes;

3º - Identificar o que provocou a raiva;

4º - Conversar com alguém em quem confie sobre o que está a sentir, para que a possam ajudar;

5º - Se se zangou com alguém, deve dizer-lhe como se sente e porquê;

6º - Fazer um desenho ou escrever num papel, o que está a sentir.

No final, é fundamental que as crianças saibam e recordem da existência permanente de uma solução para os problemas e que, embora seja inevitável sentirem estas emoções, é possível e expectável que aprendam a regulá-las para o alcance do seu bem-estar!

89 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A importância do brincar no desenvolvimento infantil

As brincadeiras têm um papel muito importante na vida das crianças, pois, entre vários motivos, contribuem para a promoção do seu desenvolvimento psicoemocioal. Por isso, é muito importante que todas

Uma emoção em crise: Amor-Próprio

O Amor-Próprio significa ter estima e confiança por si próprio e é fundamental para criar uma relação saudável com o próprio e com o outro. Quando se sente esta emoção, tão presente na própria vida, s

Gostar de estudar…. Acessível a todos

Embora “estudar” seja um conceito muito vago e, várias vezes, de difícil “digestão”, a realidade é que, por algum momento, qualquer um gostou (ou gosta) de estudar. Há sempre algo que suscita interess