• Joana Bastos

Tem dificuldade em entender o que lhe dizem?

Muitas vezes as crianças estão a brincar, concentradas na sua atividade. Os pais chamam por elas e elas não respondem. Várias poderão ser as razões.


Primeiro, importa perceber se a criança não respondeu porque não lhe interessou. Por vezes acontece não lhes interessar responder porque a atividade para a qual os pais estão a chamar, poderá não ser tão interessante quanto a atividade que a criança está a realizar naquele momento.


Segundo, importa perceber se a criança consegue ouvir bem. Para tal, deverá ser solicitada uma avaliação ao Médico Otorrinolaringologista e efetuar exames de Audiologia.


Caso a audição esteja afetada e diminuída, o tratamento será recomendado pelo Médico Otorrinolaringologista. Poderá ser necessário algum tipo de tratamento ou mesmo cirurgia. A causa da perda auditiva poderá ser otites recorrentes durante a infância.


Caso a audição esteja intacta e normal, significa que a criança ouve bem, mas tem dificuldade em compreender o que lhe é dito. Provavelmente a criança tem uma alteração no Processamento Auditivo Central, que diz respeito ao percurso que o som faz desde a entrada da informação auditiva (no ouvido) até à chegada ao Sistema Nervoso Central, para que seja analisada e interpretada. Para que a criança consiga analisar e interpretar o som, necessita de várias competências, tais como a deteção do som, localização sonora, discriminação auditiva, reconhecimento auditivo, compreensão, atenção auditiva e memória auditiva. Quando há dificuldade nestas competências, a criança apresenta uma Perturbação do Processamento Auditivo Central e pode ter as suas funções de compreensão da linguagem e da fala comprometidas.

A causa mais comum do Processamento Auditivo Central são as otites recorrentes nos primeiros anos de vida, uma vez que provocam uma privação sensorial num período de um desenvolvimento neurológico e linguístico significativo, alterando a maturação das vias auditivas centrais, comprometendo a organização da informação auditiva e consequentemente a aquisição e compreensão da linguagem.


Os sintomas do Processamento Auditivo Central poderão ser os seguintes:

· Dificuldade de compreensão da fala em ambiente ruidoso;

· Problemas de localização da fonte sonora;

· Dificuldade em compreender o que se fala ao telefone e os textos que lê;

· Respostas inconsistentes ou inadequadas aos pedidos de informação;

· Dificuldade de compreensão quando o interlocutor fala rápido, devido à demora na compreensão;

· Pedidos frequentes de repetição e/ou reformulação da informação;

· Dificuldade em seguir direções;

· Dificuldade ou incapacidade de detetar mudanças subtis na prosódia que indicam humor ou sarcasmo;

· Dificuldade de aprender outra língua e/ou de compreender linguagem técnica ou abstrata;

· Dificuldade em manter atenção;

· Dificuldade na música e no canto;

· Dificuldade na memória auditiva;

· Dificuldades académicas, incluindo leitura, ortografia e/ou problemas de aprendizagem, devido à troca de sons e letras.


São muitas vezes crianças muito distraídas e que utilizam sistematicamente o “ah?”, “repete”, “não percebi”. Nestes casos, dever-se-á solicitar uma avaliação mais específica do Processamento Auditivo Central, junto do Médico Otorrinolaringologista e do Audiologista. Depois será delineado o plano de intervenção junto de um Terapeuta da Fala, que irá realizar o treino auditivo adequado, havendo melhoria das competências auditivas e do processamento auditivo central, do desenvolvimento da linguagem oral e de todos os aspetos que englobam o processo comunicativo. É muito importante um diagnóstico precoce.

65 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Com a azáfama do dia a dia, o tempo torna-se um valor escasso. E esta escassez é sentida no cuidado próprio e no cuidado com os outros. Especificamente com os pais, mesmo cumprindo o “transporte” dos

O Bullying continua a estar presente nas escolas e parece mais forte e imprevisível. São cada vez mais as ações de sensibilização, as diretrizes de atuação e os manifestos da comunidade. O texto que s

A escola não tem nem deve ser uma inimiga, sendo importante que os alunos façam de si uma amiga! Para começar, podem fazer uma lista de tudo o que não lhes agrada e outra do que mais gostam na escola.