• Alexandra Gomes

Todas as crianças têm superpoderes

Todas as crianças têm superpoderes, “forças desconhecidas”, como refere o Psicólogo Educacional Alfredo Leite.


Esses superpoderes são diariamente camuflados pela exigência do racional, dos resultados escolares, fruto da memorização e da disciplina escolar. E com este princípio, nas palavras de Alfredo Leite “quantos talentos não se perdem quando nos focamos em factos e no racional, em detrimento do emocional”?


As crianças nascem perfeitas: valorizam o presente, naturalmente respiram profunda e abdominalmente, obtendo um estado de quietude natural e espontâneo, sentem e pensam o que os adultos não sentem. As crianças têm, de facto, forças desconhecidas e os adultos querem educá-las à sua própria imagem, de acordo com os seus desejos e as suas vontades, muitas vezes, não atendidos no seu percurso de vida.


Educar é também valorizar esses superpoderes. Educar é reconhecer as forças e as virtudes das crianças, favorecendo o seu bem-estar emocional. E assim, o ato de educar de ensinar, de “pedagogizar”, funciona bem melhor quando feito nesse bem-estar emocional.


Talvez a prática do elogio tenha mais benefícios do que os trivialmente conhecidos. Claro que não se trata de educar por facilitismos, mas o excesso de crítica pode ser devastador.


Mais do que elogiar resultados, é importante elogiar o esforço por esses resultados. Mais do que a criança ser “a melhor” é

fundamental “dar o seu melhor” e ser elogiada por isso.


E assim se criam “Seres Humanos Autênticos” com superpoderes resgatados da sua infância!

132 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A importância do brincar no desenvolvimento infantil

As brincadeiras têm um papel muito importante na vida das crianças, pois, entre vários motivos, contribuem para a promoção do seu desenvolvimento psicoemocioal. Por isso, é muito importante que todas

Uma emoção em crise: Amor-Próprio

O Amor-Próprio significa ter estima e confiança por si próprio e é fundamental para criar uma relação saudável com o próprio e com o outro. Quando se sente esta emoção, tão presente na própria vida, s

Gostar de estudar…. Acessível a todos

Embora “estudar” seja um conceito muito vago e, várias vezes, de difícil “digestão”, a realidade é que, por algum momento, qualquer um gostou (ou gosta) de estudar. Há sempre algo que suscita interess