• Alexandra Gomes

(In)Voluntariamente Sentindo: Sensações, Emoções e Sentimentos

“ As sensações e as emoções básicas são inatas,

mas os sentimentos são construídos a cada momento pela mente.”



Nem todos sentem da mesma forma… Comumente falando, há as pessoas mais “racionais” e as mais “emocionais”. As primeiras são consideradas mais prudentes e precavidas, tendo mais facilidade em refletir antes de agir; por outro lado, as pessoas emocionais são mais velozes e expressivas nas suas emoções.


Contudo, independentemente da sua maior ou menor expressão, as emoções estão presentes em todas as pessoas e, mais menos controladas, determinam como estas se comportam.


Mas o que é uma emoção?


A palavra “emoção” vem do latim motio e que significa “movimento”, isto é, uma reação involuntária do corpo a um estímulo (acontecimento e pensamento consequente), manifestando-se em sensações agradáveis ou desagradáveis (temperatura corporal, batimento cardíaco, frequência respiratória, tónus muscular, dilatação da pupila…). Por este motivo, é tendencioso dividir-se as emoções em “boas” ou “más”, mas todas as emoções são como uma bússola interna que levam o ser humano à homeoastase, ao seu equilíbrio interior, garantindo a sua sobrevivência e o seu bem-estar pessoal. Através das emoções, sabemos onde estamos e para onde devemos ir; se é seguro avançar ou é arriscado; se devemos agir ou aceitar; se devemos rir ou chorar. E está mesmo tudo bem. Pela sua definição, uma emoção tem a duração média de 90 segundos e, sendo involuntária e inevitavelmente presente em todos os seres (humanos e animais), deve ser acolhida e vivenciada naturalmente. Por sua vez, os sentimentos, definindo-se como sendo definidos como emoções pensadas, e característicos exclusivamente dos seres humanos, já são voluntários e as suas presença e manutenção na vida do ser humano, depende exclusivamente do próprio.


Assim, sentir medo, alegria, raiva, tristeza, aversão e surpresa é tão expectável como respirar. A intencionalidade humana intervém na perceção que tem dessas emoções e na forma como as manifesta.

Referências de interesse:

Damásio, A. (2011). O Erro de Descartes. Emoção, Razão e Cérebro Humano. Lisboa: Temas e Debates.

Palha, M. (2016). Uma caixa de primeiros socorros das emoções. Lisboa: Editorial Presença.

Queirós, M. (2016). Inteligência Emocional – Aprenda a Ser Feliz. Porto: Porto Editora.

55 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

A importância do brincar no desenvolvimento infantil

As brincadeiras têm um papel muito importante na vida das crianças, pois, entre vários motivos, contribuem para a promoção do seu desenvolvimento psicoemocioal. Por isso, é muito importante que todas

Uma emoção em crise: Amor-Próprio

O Amor-Próprio significa ter estima e confiança por si próprio e é fundamental para criar uma relação saudável com o próprio e com o outro. Quando se sente esta emoção, tão presente na própria vida, s

Gostar de estudar…. Acessível a todos

Embora “estudar” seja um conceito muito vago e, várias vezes, de difícil “digestão”, a realidade é que, por algum momento, qualquer um gostou (ou gosta) de estudar. Há sempre algo que suscita interess