• Pedro Botelho

Juntos por um bom pequeno-almoço

Não existindo nenhuma regra que afirme que o pequeno-almoço é obrigatório, temos hoje conhecimento que nos mostra o suficiente para que, no caso das crianças, esta refeição seja fortemente recomendada.

A alimentação nas crianças deve permitir o seu crescimento e desenvolvimento, a sua atividade física e as atividades escolares de forma satisfatória. Deve também fazer com que se evite o défice nutricional e deve contribuir para a prevenção de doenças não só na infância, mas também na idade adulta.


As crianças que não tomam o pequeno-almoço poderão comprometer estas necessidades, nomeadamente pelo facto de obterem menor aporte energético e de poderem evidenciar carência em algumas vitaminas e minerais, tais como a Vitamina C e o Ferro.


Não tomar o pequeno-almoço gera hipoglicemia, podendo resultar em:

• Cansaço

• Perda de força

• Visão turva

• Alterações de humor

• Confusão mental

• Cefaleias

• Irritabilidade

• Tremores

• Debilidade física

• Atraso cognitivo

• Transtornos afetivos

• Aumento de doenças infeciosas

• Aumento de doenças gastrointestinais

• Redução de capacidade de atenção e aprendizagem

• Apatia

• Falta de interesse na escola


Assim, o pequeno-almoço deverá aportar 20 a 25% do total calórico diário e ter até 30% do total proteico diário, incluído hidratos de carbono ricos em fibra e pouca gordura. Deverá proporcionar o alívio do jejum matinal, fornecendo a energia necessária para toda a manhã.


Em baixo, estão exemplos de alimentos adequados para suprir as necessidades já citadas:


Leite e Derivados – contém proteína de elevado valor biológico, minerais e vitaminas;

Cereais e Derivados – contém açúcares complexos/ amido, proteínas vegetais, ferro e vitaminas;

Fruta – contém vitaminas, betacarotenos e fibras;

Gorduras – fornecem ácidos gordos essenciais e vitaminas A e E;


O pequeno-almoço não precisa de ser uma refeição complexa e difícil de preparar, mas a sua presença na infância e juventude, poderá fazer toda a diferença.



82 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

“A educação financeira é um elemento fundamental na educação”. Quem o diz são os autores da obra literária, intitulada “Educação Financeira na Escola” (Ed. Paco & Littera). Conceitos como “endividamen

Não são poucos as crianças e os jovens que manifestam dificuldade em fazer amigos. Algo que deveria ser espontâneo e que, para alguns, é tão natural, para outros torna-se uma tarefa hercúlea e inibido

Chegou o verão! Com ele chegaram as férias escolares, os dias longos, as noites quentes, o simplesmente estar e o descansar de um ano com resquícios pandémicos! Passados 2 longos anos, ainda que o vír